(Foto: Reprodução)

 

A cesariana forçada, nesta quarta-feira, em uma menina de 11 anos, que tinha sido estuprada pelo companheiro de sua avó, na província de Tucumán, no Norte da Argentina, reacendeu o debate sobre o aborto no país. A família dela e organizações sociais avaliam a decisão dos médicos como “tortura”.

Os profissionais se recusaram a fazer a interrupção da gravidez, permitida por lei neste caso, alegando que era tarde demais. No entanto, a autorização para a interrupção da gravidez saiu mais de um mês após a constatação que a menina estava grávida.

“Eu quero que você tire o que o velho colocou em mim”, tinha dito a menina, de acordo com o registro do caso após o relatório de abuso.

Na Argentina, de acordo com a lei que rege desde 1921, o aborto é permitido em dois casos: quando em perigo a vida da mulher e quando a gravidez é resultado de estupro, sem exigir semanas de gestação.

Para ler a matéria completa no Portal Extra clique aqui.