Com o objetivo de provar que a terra é plana, um casal italiano decidiu navegar em busca do fim do mundo, mas acabou se dando mal. Segundo o jornal Clarín, os terraplanistas (que não tiveram seus nomes divulgados) se perderam no mar Mediterrâneo e foram resgatados pelo médico Salvatore Zichichi, que trabalha no Ministério da Saúde na Itália.

“O engraçado nisso é que eles usaram uma bússola, que funciona de acordo com o magnetismo da Terra, um conceito que eles, como pessoas que acreditam na terra plana, deveriam rejeitar”, afirmou Zichichi ao jornal italiano La Stampa.

A viagem aconteceu em abril, quando toda a Itália estava em confinamento por causa da pandemia do novo coronavírus. De acordo com o jornal Clarín, o casal é de Veneza e teria partido do porto da ilha de Lampedusa (entre a Sicília e o Norte de África) com o intuito de achar a borda do planeta.

Foto: Reprodução/Twitter

No Brasil, pesquisa do Instituto Datafolha realizada em julho de 2019 apontou que uma parcela de 7% dos brasileiros credita que o formato da Terra é plano. O levantamento contou com 2.086 entrevistados maiores de 16 anos em 103 cidades pelo país e foi o primeiro a estimar quantos no país duvidam que o planeta seja esférico -cerca de 11 milhões de pessoas.

Declararam crer que a Terra seja redonda 90% dos entrevistados e o restante disse não saber sua forma. A crença de que a Terra é plana se revelou inversamente proporcional à escolaridade. Enquanto 10% das pessoas que deixaram a escola após o ensino fundamental defendem o chamado terraplanismo, essa parcela diminui entre os que estudaram até concluir o ensino médio (6%) ou superior (3%).

Apesar de representarem minoria no Brasil, em termos absolutos é difícil classificar o grupo como pequeno, uma vez que a crença requer a negação de um dos princípios fundamentais da geografia, repetidamente confirmado por observações e experimentos por mais de dois milênios.

Em novembro do ano passado, uma convenção em São Paulo reuniu quem duvida de que a Terra seja redonda.