O governo do Paraguai autorizou a instalação de barreiras físicas na fronteira seca com o Brasil para barrar a passagem de pessoas e veículos devido ao coronavírus. O país registrou a primeira morte pelo vírus nesta sexta-feira, 20. Em Ypehú, cidade vizinha à brasileira Paranhos, em Mato Grosso do Sul, máquinas retroescavadeiras abriram uma espécie de trincheira no lado paraguaio da linha internacional. A abertura da vala que impede o trânsito entre as duas cidades teve a concordância do prefeito de Paranhos, Dirceu Bettoni (PSDB). “É uma situação de emergência sanitária e, do lado brasileiro, infelizmente não houve fechamento da fronteira.”

© Prefeitura de Paranhos/divulgação Paraguai coloca ‘trincheiras’ na fronteira seca com o Brasil após primeira morte pelo covid-1

 

Em Sete Quedas (MS), separada da paraguaia Pindoty Porã por uma avenida asfaltada, os acessos foram bloqueados pelo exército paraguaio, segundo o prefeito Chico Pirolli (PSDB). “Como aqui não dá para fazer trincheira, as tropas deles fizeram barreiras e ninguém passa, mas é difícil controlar tudo, pois só em nosso município a fronteira seca tem 180 quilômetros.” Segundo ele, no lado paraguaio todo o comércio está fechado e vigora o toque de recolher mesmo durante o dia. Só postos de gasolina, farmácias e mercados autorizados abrem das 9 às 14 horas.

Em Capitán Bado, os acessos para Coronel Sapucaia (MS) estão interditados por militares paraguaios armados. Há barreira com militares também na Ponte Internacional da Amizade, entre a paraguaia Bella Vista Norte e a brasileira Bela Vista (MS). A prefeitura de Ponta Porã (MS), que é ligada à paraguaia Pedro Juan Caballero, suspendeu na sexta-feira, 20, o funcionamento do comércio em geral, liberando o atendimento local de restaurantes, bares e lanchonetes, e autorizando apenas retiradas e entregas em domicílio. Casas de shows, academias, parques, museus, igrejas e clubes foram fechados.