O papa emérito Bento 16 saiu em defesa do celibato dentro da Igreja Católica em meio às considerações que seu sucessor, papa Francisco, tem feito para flexibilizar regra imposta a homens que queiram atuar no sacerdócio.

O alemão defende seu ponto de vista em um livro co-assinado com o cardeal guineano Robert Sarah, como uma resposta à proposta de permitir que homens casados possam ser ordenados padres na região amazônica.

Aposentado desde 2013, Bento 16 afirmou que não poderia ficar em silêncio sobre o tema.

No livro, ele afirma que o celibato, uma tradição secular dentro da Igreja, tem “grande significado” porque permite aos padres focarem em seus deveres. “Não parece possível executar ambas as vocações (sacerdócio e casamento) simultaneamente.”

É raro que Bento 16, que foi o primeiro pontífice a renunciar em quase 600 anos, intervenha em assuntos clericais.

Foto PASCOM/SÃO ROQUE – Hoje em dia o celibato é necessário para quem quer se tornar sacerdote na Igreja Católica

O Vaticano ainda não comentou o livro, cujos trechos foram antecipados pelo jornal francês Le Figaro, antes de sua publicação nesta segunda-feira (13).

Analistas reagiram com surpresa à intervenção do papa emérito, sugerindo que ele pode ter quebrado protocolos.

“Bento 16 não está de fato quebrando o silêncio porque ele (e seu séquito) nunca se comprometeu com essa promessa. Mas é uma ruptura séria”, escreveu Massimo Faggioli, historiador e teólogo da Universidade Villanova, nos Estados Unidos, em seu perfil no Twittter.

Os comentários de Bento 16 foram classificados de “incríveis” por Joshua McElwee, jornalista do veículo americano National Catholic Reporter.

Presentational white space

Teólogo conservador com pontos de vista tradicionais acerca de valores católicos, Bento 16 afirmou que ficaria “escondido do mundo” ao se aposentar, alegando saúde frágil.

Mas desde então ele tem veiculado suas opiniões em artigos, livros e entrevistas, pregando abordagens distintas do papa Francisco, que é visto como mais progressista. Bento 16 ainda vive dentro dos muros do Vaticano, em uma edificação que funcionava como monastério.

Qual foi a proposta para mudar o celibato?

Em outubro, bispos católicos de diversos países se encontraram em uma reunião, conhecida como sínodo, para discutir o futuro da Igreja Católica na Amazônia.

Na conclusão deste encontro, foi divulgado um documento detalhando os assuntos que concernem a instituição, entre eles a proposta de que em partes remotas da Amazônia se permita que homens mais velhos e casados possam ser ordenados padres pelo catolicismo.

A ideia seria suprir a falta de padres com a ordenação de homens considerados viri probati, expressão latina para designar aqueles tidos como exemplos de retidão moral na sociedade, com participação já consagrada no dia a dia de suas comunidades. E, no caso da Amazônia, preferencialmente indígenas.

A proposta defendida por bispos sul-americanos mira a escassez de padres na região e será avaliada pelo papa Francisco junto com outras diversas sugestões que envolvem, por exemplo, o meio ambiente e o papel da mulher na Igreja Católica.

Ele deve decidir sobre o assunto nos próximos meses.

Por que o tema é controverso? Leia mais aqui