O evento alarmou milhares de pessoas na Costa Rica. Às 21h do dia 23 de abril de 2019, o céu se iluminou e ouviu-se uma forte explosão.

Segundos depois, centenas de pequenas rochas caíram na Terra. Naquele momento, Márcia Campos Muñoz estava descansando em casa quando ouviu uma série de batidas no telhado de sua casa.

(Foto: Getty Imagens)

 

O barulho e os uivos de seu cachorro a assustaram. Mas o choque aumentou com o forte estrondo vindo do fundo de sua casa. Ao verificá-lo, encontrou uma pedra quente no chão com um cheiro intenso de gás de cozinha.

Marcia mora na comunidade La Caporal de Aguas Zarcas, em Cantón de San Carlos, localizado 57 quilômetros ao norte da capital da Costa Rica, San José.

O que aconteceu foi a queda de um meteorito que, segundo os especialistas, era do tamanho de uma máquina de lavar, embora tenha quebrado ao entrar na atmosfera terrestre.

Os fragmentos literalmente bombardearam a propriedade de Márcia e perfuraram o telhado de sua casa.

“A casa dela foi literalmente apedrejada do céu”, disse Gerardo Soto Bonilla, pesquisador da Escola Centro-Americana de Geologia (ECG) da Universidade da Costa Rica, à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

Tesouro inestimável
A queda de rochas espaciais é comum. Na verdade, dezenas chegam à Terra todos os dias. A maioria é destruída antes de chegar à superfície.

Mas não esta. Agora, o que restou do objeto se tornou um valioso tesouro para os cientistas.

O meteorito contém elementos semelhantes aos que existiam na época da formação do sistema solar. E parte de sua composição tem origem orgânica.

Rochas como esta caíram há bilhões de anos na Terra e, segundo alguns especialistas, podem ser uma das chaves para o surgimento da vida no planeta.

Daí a importância do meteorito Aguas Zarcas, que leva o nome da área onde caiu.

Os fragmentos foram recuperados por moradores da comunidade e especialistas da Escola Centro-Americana de Geologia. A caçada permitiu reunir cerca de 27 quilos de pedaços de rocha.

Formado nas estrelas

O maior fragmento recuperado pesa 1,8 mil gramas, mas seu maior valor são as informações que contém.

O meteorito que caiu em Aguas Zarcas é um condrito carbonáceo, uma variedade muito rara de alto valor científico.

De fato, na história da geologia, apenas 504 desse tipo de rocha foram recuperadas, segundo o pesquisador da Universidade da Costa Rica.

Os condritos carbonáceos contêm o único registro da composição geoquímica dos primeiros anos do sistema solar.

Ao analisar os fragmentos recuperados na Costa Rica, foram descobertos componentes de carbono orgânico, mas de origem inorgânica.

É um processo que remonta aos primeiros momentos da formação do Sistema Solar, afirma o pesquisador Soto Bonilla.

“O carbono original foi formado a partir da fusão nuclear em estrelas, a origem é totalmente inorgânica”, explica.

Fresquinho’

Há outro elemento que aumenta o valor científico da bola de fogo: o momento em que caiu na Terra e a rapidez com que os fragmentos foram recuperados.

Os condritos carbonáceos que caíram há dezenas ou centenas de anos, quando recuperados, já tinham perdido a maior parte de seus componentes orgânicos.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.