INDIAN COAST GUARD/SURVIVAL INTERNATIONAL

A morte do americano John Allen Chau, abatido a flechadas há cerca de uma semana na ilha Sentinela do Norte, no Oceano Índico, trouxe à tona algumas histórias antigas sobre a tribo isolada que habita a região.

Uma das mais surpreendentes é a do encontro entre os indígenas e o antropólogo indiano T.N. Pandit.

Pandit fez visitas esporádicas à ilha entre o fim da década de 1960 e o começo dos anos 1990. O conhecimento adquirido durante as viagens – e principalmente o fato de ter sobrevivido a elas – transformaram Pandit em uma espécie de celebridade depois da morte de Chau.

De toda forma, Pandit não foi o primeiro antropólogo a ficar cara a cara com a tribo – que, segundo especialistas, teria chegado à ilha vinda da África, há cerca de 50 mil anos.

No final do século 19, um jovem oficial da marinha britânica pisou na ilha, que hoje pertence à Índia. Ele estava acompanhado de um grupo que reunia desde autoridades a criminosos condenados e aborígenes de outras tribos do arquipélago de Andaman que tinham estabelecido relações com as forças coloniais da Inglaterra.

Maurice Vidal Portman encabeçava a missão à ilha Sentinela do Norte. Tinha por objetivo estudar a língua e os costumes da comunidade, que relutava em se comunicar com o mundo exterior.

A hostilidade dos sentinelas, que chamou atenção com a morte do jovem missionário e aventureiro norte-americano neste mês, já era conhecida naquela época.

Vários textos históricos trazem relatos de pessoas que chegaram à ilha acidentalmente (pescadores, comerciantes perdidos, náufragos) e foram depois encontrados boiando de bruços no mar, com o corpo crivado de flechas.

A “relutância” dos indígenas, porém, não era um obstáculo para Portman. Ele estava determinado a fazer o que fosse necessário para dialogar com eles.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.