A prioridade de pacientes para conseguir um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para a covid-19 não é feita pela idade, mas sim pela chance de sobrevivência do paciente. A informação foi confirmada à Banda B, na manhã desta quarta-feira, por Pedro Almeida, diretor do Departamento de Urgência e Emergência da Secretaria Municipal de Saúde.

(Foto: SMCS)

 

“A nossa escolha se dá pela gravidade clínica. Alguns países fizeram escolha por idade, como se pessoas acima de 80 anos não tivessem chance. Em Curitiba, fazemos por gravidade clínica. Um paciente de 80 anos, com condição de saúde boa, a idade não vai tirar ele da fila. Ele vai ter a mesma possibilidade de uma pessoa de 40 anos”, descreveu à Banda B.

A maioria dos pacientes tem conseguido uma vaga em UTI no período de 24 a 48 horas, salvo algumas exceções em que têm passado de 72 horas, especialmente para pacientes que precisam de leitos com mais cuidados. “Há hospitais que não podem receber um paciente com problema cardíaco ou que precise de uma cirurgia, por exemplo. Por isso, a ocupação de leitos não fica em 100%”, salientou.

Ontem, a ocupação de leitos em Curitiba era de 95%, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde.