Se a vida é feita de desafios um dos mais emblemáticos para o prefeito de Fazenda Rio Grande, Marcio Wozniack, foi fazer a Assomec ( Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba) deixar de ser um espaço para reclamações e se tornar local para pensar no futuro e na integração positiva dos municípios metropolitanos. Presidente da Assomec e diretor da Associação dos Municípios do Paraná – AMP, Wozniack destacou a importância dos consórcios para as cidades metropolitanas, a necessidade de se pensar em uma segunda linha de ligação metropolitana e a perspectiva da Assomec se tornar uma federação em breve.

Wozniack em entrevista ao jornalista Luiz Henrique de Oliveira

 

Wozniack foi o convidado da semana do Jornal Metropolitano*, da Rádio Banda B, onde comentou a mudança de foco nas reuniões do órgão que une os municípios metropolitanos. “Mudamos o foco da reunião da Assomec, que agora tem muito mais a participação da sociedade organizada. Se as entidades privadas não forem chamadas, fica difícil você fazer uma gestão pública com tanta transparência. Queremos sair só das reclamações. Consórcios públicos, PDUI da Comec, tudo isso está sendo organizado também pela Assomec e estamos felizes com isso”, destacou.

Para o prefeito, a visão de se integrar as cidades metropolitanas é fundamental. “Tudo de melhor estava aqui e a gente ficava apenas com os subserviços na metropolitana. Tem que inverter isso. Integra rodoviais, trazer empresas e dar ganho para essas pessoas que moram aqui, gerando mais empregos. Pensamos muito nisso nas reuniões da Assomec, em formas das cidades mais ricas ajudarem as mais pobres. Exemplo é a questão da ponkan de Cerro Azul, que está presente na merenda escolar até de Curitiba”, salientou.

Outro ponto de destaque para o prefeito é fazer com que os municípios não tenham que resolver as suas demandas sozinhos. “Quanto tempo sabemos que o Contorno Norte não sai e que ele beneficiaria tanta gente. Como Colombo, sozinha, resolve isso? Por meio da Assomec, há muita mais chance daquele anel viário trazer desenvolvimento e desafogar o trânsito”, citou Wozniack, lembrando ainda dos Consórcios Metropolitanos, como o da Saúde. “Pelo consórcio você vê uma maneira jurídica legal em que os prefeitos podem contratar serviços que são comuns nas cidades. Via consórcio o município menor paga a demanda possível e o grande a cota maior. Além disso, tem uma agilidade para atender uma demanda e trabalhar no município”, disse.

Prefeitos e autoridades com Márcio Wozniack em reunião da Assomec

 

Por fim, sobre o assunto Assomec, Wozniack falou da perspectiva do órgão tornar-se uma federação. “Importante para que os prefeitos recebam informações dos projetos de desenvolvimento econômico, coleta de resíduos entre outros. Alimentando o PDUI para se cumprir o estatuto da metrópole. Saber onde vai se colocar o dinheiro. Isso é fundamental”, apontou o prefeito destacando ainda a criação de uma 2° linha de ligação metropolitana. “Para levar mobilidade e asfalto de qualidade para Mandirituba, por exemplo, porque a população vai crescer. A intenção é integra áreas mais distantes para se ter um desenvolvimento mais viável. Isso é discutido junto à Comec para fazer uma gestão moderna, com a chancela do Tribunal de Contas do Estado (TCE)”, explicou.

Fazenda Rio Grande

Prefeito de Fazenda Rio Grande, Wozniack destacou o crescimento da cidade

 

Sobre a prefeitura de Fazenda Rio Grande, o prefeito destacou a possibilidade de aprovação de contas deste ano sem ressalvas, além do relacionamento com o órgão fiscalizador. “Você não pode ver o TCE como um vilão, mas entender o seu papel. No passado, tivemos problemas com gastos, onde ficou comprovado que foi por contratação de médicos e professores para uma cidade que não parava de receber pessoas. Ou seja, não houve má-fé. Estive recentemente em um evento no TCE e nossas contas estão em dias e deverão ser as melhores da história da cidade. É muito grande a chance de aprovação sem ressalvas”, disse.

Wozniack ainda comentou o fato de Fazenda Rio Grande ser atualmente a ‘menina dos olhos’ das cidades metropolitanas. A população tem entendido isso. Grande aporte de pessoas que estão mudando titulo de eleitor, placa de carros para cá, com orgulho de ser fazendense. A cada dia, em Fazenda, circulam mais recursos, tanto que o orçamento era pouco mais de R$ 100 milhões e agora vai ser R$ 300 milhões. As pessoas percebem um comércio forte, com empresas como Havan, Muffato, marcas fortes na nossa cidade”, destacou.

Para concluir, comentou o início de atendimento no Hospital e Maternidade Nossa Senhora Aparecida. “Para isso acontecer, houve uma intensa reforma com a participação do governo. Agora, está funcionando em fase de transição. Estamos contratando servidores, 44 novos que passam a trabalhar em janeiro nas unidades de saúde e na maternidade. Temos três crianças por dia nascendo e, em janeiro, queremos o espaço com funcionando em 100%”, concluiu.

*O Jornal Metropolitano vai ao ar aos sábados às 23 horas e aos domingos a partir das 6 horas, pelo AM 550 e FM 107,1. A apresentação é de Elizangela Jubanski e Luiz Henrique de Oliveira.