da SMCS

A Prefeitura de Curitiba recebeu 195 pedidos de atendimento a pessoas em situação de rua, das 19 horas de terça-feira (18/7) às 7 horas desta quarta-feira (19/7), quando Curitiba registrou a temperatura mais baixa do ano. Os atendimentos foram feitos com base às solicitações à Central 156.

Este número deve aumentar ainda mais, já que equipes percorreram as regionais fazendo a busca ativa de pessoas que estavam nas ruas. O relatório destes atendimentos será fechado nas próximas horas.

Para a ação emergencial, realizada sempre que a temperatura chega a 7 graus, a Fundação de Ação Social (FAS) contou com 11 equipes de abordagem social, com 33 assistentes e educadores sociais e apoio técnico. Houve um reforço de duas equipes às 24 horas, em função da demanda.

Nesta noite, 58 pessoas recusaram encaminhamento aos abrigos e permaneceram no local e 57 aceitaram acolhimento da FAS. Além disso, 68 pessoas não estavam no local apontado pelo cidadão que ligou ao 156.

Houve também um retorno para a família e um adolescente foi reencaminhado à unidade social onde já era atendido. Às 4 horas, 95% das 900 vagas oferecidas para pernoite já estavam ocupadas.

Apesar de todos os esforços, foi registrado um óbito, na Praça Tiradentes, no Centro. Um homem identificado como Adilson José Juk, 41 anos, que já era atendido pela FAS desde 2003, foi encontrado morto pelos colegas, que dormiam no mesmo local.

A Polícia Militar e a FAS fizeram o primeiro atendimento e após a constatação da morte pela equipe do Samu, o corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal. A FAS aguarda o laudo para verificar a causa da morte.

Colegas de Adilson relataram que ele havia sofrido duas convulsões nos últimos dias. Adilson era atendido pelo Consultório na Rua e sempre descartava atendimento e acolhimento pela FAS. Ele também havia feito tratamento para dependência química.