Menos de duas horas separam os dois principais pontos turísticos naturais do Paraná. Essa redução temporal entre o Parque Estadual da Vila Velha, em Ponta Grossa, e o Parque Nacional do Iguaçu, onde ficam as Cataratas, foi possível através da nova rota aérea operada pela Voepass Linhas Aéreas, iniciada neste sábado, dia 24 de outubro.

A aeronave, que tocou o solo em Ponta Grossa às 13h59, para pousar, vinda de São Paulo (Congonhas), recebeu o batismo do voo com o tradicional jato de água ao deixar a taxyway e chegar ao pátio do terminal de passageiros, marcando a consolidação da terceira rota aérea comercial operada na cidade, desde a reforma do aeroporto, reinaugurado em 2016.

Aeronave do voo inaugural foi batizada em Ponta Grossa e em Foz do Iguaçu Foto: Fernando Rogala

 

A rota é uma reivindicação dos ponta-grossenses, após pesquisas feitas pela prefeitura no município, que depois de São Paulo, apontaram Foz como o destino com maior demanda. “Todas as pesquisas feitas no aeroporto apontavam Congonhas e Foz. E o que mostra o quão importante é que os voos estão cheios, os voos estão sendo comprados com antecedência; agora sexta-feira (30), véspera de feriado, está lotado o voo. É uma conquista que está movimentando passageiros do Brasil todo”, informou Victor Hugo Oliveira, superintendente aeroportuário em Ponta Grossa. A rota começaria na segunda quinzena de março, mas foi postergada devido à pandemia.

Depois do embarque dos passageiros em Ponta Grossa, às 14h45 a aeronave ATR-72 600 saiu para sair taxiar, deixando o solo, pela cabeceira 26 do aeroporto Sant’Ana, às 14h50. Foram 1h06 minutos no ar, e inúmeras cidades superadas, como Imbituva, Guamiranga, Guarapuava, Goioxim, Nova Laranjeiras, Quedas do Iguaçu, Três Barras, Capitão Leônidas Marques, inclusive um sobrevoo sobre a Argentina, após cruzar a margem sul do rio Iguaçu, sobre a cidade Comandante Andresito, para passar ao lado das Cataratas e pousar às 15h56. Por lá, também houve o batismo da aeronave e recepção de autoridades e lideranças municipais e do setor do turismo.

“É uma mudança de um ciclo histórico para nossa cidade. Estou muito satisfeito, porque ter o voo entre Ponta Grossa e Foz do Iguaçu é unir as duas principais atrações turísticas do Paraná, e Vila Velha vai ser uma das maiores do mundo. Ponta Grossa só ganha com tudo isso”, destacou o prefeito Marcelo Rangel, sobre a relevância deste voo para o setor turístico. Por sua vez, José Loureiro, secretário municipal de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional, ressaltou a potencialização do turismo de negócios. “Esse é um voo, assim como o para Congonhas, que facilita muito os negócios para multinacionais que estão em Ponta Grossa, e uma facilidade a mais para os executivos chegarem ao município”, informou.

Do voo participaram, além de Marcelo Rangel, José Loureiro, e Victor Hugo de Oliveira, o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex; e a vice-presidente do Conselho de Desenvolvimento Econômico de Ponta Grossa, Priscila Jaronski, além de empresários do setor de turismo, que desenvolvem pacotes de viagem para o destino. O aeroporto de Foz recebe um investimento para ampliação da pista em 600 metros, para ficar com 2.800 metros, e receber novos voos internacionais, com conexões para a Europa e América do Norte a partir de 2021 – que poderão ser acessadas pelos ponta-grossenses com o novo voo..

Para mais informações sobre os Campos Gerais acesse o Portal  A Rede clicando aqui.