Redação

Casamento de Maria Victoria foi cercado de protestos – Foto: Colaboração Banda B

O polêmico casamento da deputada Maria Victoria com o advogado Diego da Silva Campos teve mais um capítulo na tarde desta quinta-feira (3). A Coordenação do Patrimônio Cultural (CPC) do Paraná estabeleceu o valor da multa para a Sociedade Garibaldi devido à estrutura montada em frente ao Palácio Garibaldi para o casamento, no dia 14 de julho. O valor total que deverá ser cobrado é de R$ 7,5 mil.

A multa contra a Sociedade Garibaldi foi aplicada devido à montagem de uma estrutura metálica em frente ao palácio, que é tombado. Segundo a lei estadual que rege a manutenção desse tipo de edifício, é proibida qualquer tipo de intervenção, mesmo temporária, que modifique a fachada. A estrutura serviu para acomodar os mais de 1 mil convidados da festa de casamento.  Segundo a Coordenação do Patrimônio Público, a estrutura foi construída antes da licença de liberação para a montagem. O valor gasto com a festa não foi divulgado.

Em nota, a assessoria da deputada estadual Maria Victoria informa que “na condição de associada da Sociedade Garibaldi, Maria Victoria confia na defesa a ser apresentada pela diretoria da entidade. A estrutura temporária não causou nenhum dano ao Palácio Garibaldi, como foi constatado em vistoria posterior ao evento”.

Protesto na festa

O casamento da deputada estadual Maria Victoria Borghetti Barros (PP) com o advogado Diego da Silva Campos foi marcado por protestos com ovos e bebidas lançados sobre alguns convidados e muitos gritos em coro dos manifestantes. Cerca de 300 pessoas cercaram a Igreja do Rosário, no Largo da Ordem, em Curitiba, na noite do dia 14 de julho. Com coro de protesto contra o que chamaram de ostentação, os manifestantes gritaram muito e discutiram com algumas pessoas que chegavam para a cerimônia.

Dezenas de policiais militares e seguranças particulares isolaram a igreja e também a Sociedade Garibaldi, local da recepção. Maria Victoria chegou acompanhada do pai, o ministro da saúde Ricardo Barros, por volta das 19 horas. A mãe, a vice-governadora Cida Borghetti, aguardava do lado de dentro. A deputada chorou antes de entrar na igreja. Alguns convidados chegaram a discutir com os manifestantes.

A recepção aos convidados ocorre no Palácio Garibaldi e reúne cerca de mil pessoas. Para fazer o trajeto de poucos metros entre a Igreja do Rosário e o local da festa, os noivos entraram numa van e foram protegidos por policiais e seguranças. Convidados também tiveram dificuldade para atravessar a praça e precisaram da proteção da polícia.

Notícia relacionada: