Um novo estudo concluiu que tomar cloroquina não previne a covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Os cientistas da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, testaram se o medicamento, usado contra lúpus e malária, tinha esse efeito em 125 profissionais de saúde.

(Foto: Reprodução Twitter)

 

Os participantes foram divididos em dois grupos: 64 receberam cloroquina e 61 receberam placebo, por oito semanas. Ao fim, foi constatado que não houve uma diferença significativa na proporção de pessoas que foram infectadas.

Houve quatro casos em cada grupo, o que representou 6,3% dos voluntários que tomaram cloroquina e 6,6% daqueles que tomaram placebo.

“Com isso, não podemos recomendar o uso rotineiro da hidroxicloroquina entre profissionais de saúde para prevenir a covid-19”, dizem os autores da pesquisa, que foi publicada nesta quinta-feira (30/9) no Jama Internal Medicine, periódico científico da Associação Médica Americana.

Os resultados do estudo não surpreendem, diz a infectologista Raquel Stucchi, professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), porque reforçam outras evidências científicas obtidas até agora de que a hidroxicloroquina não é eficaz contra o coronavírus.

“Já tive muita esperança de que a cloroquina pudesse funcionar, mas isso não se provou com o passar dos meses, e esse estudo reafirma o que a gente já sabia. Mas é importante ter isso documentado cientificamente, porque uma coisa é um médico não receitar esse medicamento porque não gosta dele ou tem impressão de que não vai dar certo e outra é não fazer isso porque a ciência mostrou que não funciona”, afirma Stucchi.

Os autores do estudo ressaltaram ainda que os participantes que tiveram covid-19 não apresentaram sintomas ou tiveram só sinais leves da doença. Todos se recuperaram totalmente.

Os voluntários que tomaram cloroquina tiveram mais efeitos colaterais do que os que usaram placebo, especialmente diarreia (32% no primeiro grupo em comparação com 12% no segundo). Mas não houve reações graves.

O estudo foi encerrado antes de recrutar todos os 200 participantes previstos inicialmente, porque uma revisão dos resultados obtidos após a pesquisa passar de 100 voluntários já apontou a ineficácia da hidroxicloroquina para prevenir a covid-19.

De acordo com modelos matemáticos, mesmo que a pesquisa prosseguisse até o fim, esse resultado não seria alterado. Em casos assim, poderia ser considerado antiético prosseguir com a pesquisa, que foi então finalizada.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.