Uma garota de programa que extorquia clientes em Santa Catarina foi condenada a 16 anos e oito meses de prisão, em regime inicial fechado. Ela também deve pegar multa de R$ 59 mil a uma de suas vítimas. A decisão, unânime, foi proferida pela 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

Foto: FreePik

A ré usava de um método padrão para extorquir dinheiro de seus clientes. Ela anunciava serviços em sites de anunciantes por meio dos quais os interessados entravam em contato para a realização de programas. Posteriormente ao encontro, a mulher informava ter gravado os momentos íntimos, que seriam divulgados para familiares e através das redes sociais. Isso aconteceria caso não fossem pagos os valores exigidos.

Depois que as transferências de valores aconteciam, a garota de programa chegou inclusive a procurar as esposas de duas vítimas e deixar mensagens em suas redes sociais, com o intuito de constranger os clientes e abalar seus casamentos.

Julgamento

A ré foi julgada por extorsão a três vítimas, sendo inocentada no juízo de origem. No entanto, um recurso de apelação contra a decisão foi apresentado tanto pelo Ministério Público como por uma das vítimas, que pediu reparação pelo dano material causado.

Em seu voto, a desembargadora Cinthia Beatriz da Silva Bittencourt Schaefer, relatora da apelação, destacou que o conteúdo das mensagens não deixa dúvidas sobre o caráter intimidatório e a clara intenção da apelada em constranger as vítimas, inclusive por suas esposas, para obter indevida vantagem econômica.

A culpabilidade da ré tornou-se elevada pela premeditação.

“Através de site da internet anunciou serviços de ‘garota de programa com local’, porém previamente preparou o ambiente para gravar o encontro íntimo com o objetivo de adiante constranger o cliente a lhe entregar vantagem pecuniária”, descreve a magistrada.  “Portanto, inexistem dúvidas sobre a apelada ter cometido, por três vezes, o crime descrito no art. 158, caput, do Código Penal, de modo que sua condenação é medida que se impõe. A ré era imputável, tinha potencial consciência da ilicitude e dela era exigível conduta diversa”, concluiu.

A ré, que não tinha antecedentes, se defendeu ao afirmar que cobrou dinheiro de uma das vítimas somente após ter se desentendido com ela por conta do horário marcado para o encontro, e porque ela teria causado tumulto e impedido o atendimento de outros clientes. Nos outros dois casos, alegou ter engravidado das vítimas.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Garota de programa é condenada a 16 anos de prisão por ameaçar divulgar momentos íntimos de clientes

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.