Coritiba defende isonomia para a volta da torcida aos estádios no Brasil. (Geraldo Bubniak/AGB)

A Secretaria de Saúde do Estado do Paraná (Sesa) é contrária a volta da torcida aos estádios. O assunto voltou à tona nesta terça-feira (22) após o Ministério da Saúde dar o aval ao plano da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). A ideia é autorizar o retorno de até 30% da capacidade do estádio.

Através da assessoria de imprensa, a Sesa afirmou que a posição segue a mesma em relação a presença da torcida. “Ainda está mantida a posição da Sesa. Nenhuma novidade”.

Posicionamentos de Athletico e Coritiba

Os clubes já estão posicionando nos bastidores favoravelmente ao retorno dos torcedores para amenizar o prejuízo pela falta da bilheteria, mas defendem uma isonomia. Por exemplo, são contra que seja liberado apenas no Rio de Janeiro, onde a prefeitura já autorizou cerca de 20 mil torcedores a partir do jogo entre Flamengo x Athletico, no dia 04 de outubro.

Através de nota oficial, o Coritiba reforçou que a saúde e a segurança devem ser prioridades neste momento. “O Coritiba defende a igualdade na tomada de decisão e acredita que a medida definida deve valer para todos, respeitando a isonomia competitiva. O clube defendeu o retorno aos treinos de maneira segura e inclusive contratou um médico infectologista que contribuiu com o desenvolvimento de um protocolo de saúde, entendendo a responsabilidade das instituições sobre o atual cenário de pandemia e, ainda que esteja atento à situação e seus desdobramentos, reforça que a saúde e segurança devem ser consideradas como prioridade em relação ao retorno do público aos estádios”, comentou.

Já o Athletico, através do presidente do Conselho Administrativo, Mário Celso Petraglia, declarou que não tem nenhuma conclusão até que o assunto seja mais esclarecido. “Sem nenhuma conclusão ou decisão até que tudo fique claro e estabelecido de como será essa liberação”, disse.

A última vez que os jogos no Brasil aconteceram com a presença de público foi em março, antes mesmo da paralisação do futebol pela pandemia da Covid-19. Os jogos retornaram no Paraná no final de julho, mas sem a torcida.