Fabrício em campo como capitão da equipe. (Rui Santos/Paraná Clube)

O primeiro tempo abaixo da média custou a derrota por 2×0 do Paraná Clube para a Chapecoense, na noite desta segunda-feira (29), na Arena Condá, em Chapecó. Com algumas alterações, o time paranista foi inoperante, sofreu os dois gols e o resultado manteve o Tricolor na zona de rebaixamento da Série B do Campeonato Brasileiro.

“Uma derrota muito ruim. A gente trabalhou bastante a jogada deles para matar e tivemos muitas dificuldades no primeiro tempo. Foi um primeiro tempo muito ruim. No segundo a gente acertou, ficou mais igual, criamos oportunidades, mas não conseguimos”, apontou o capitão, que espera conseguir salvar o Paraná do rebaixamento à terceira divisão.

“Agora é continuar trabalhando. Não tem outro caminho. É trabalhar muito, esquecer tudo porque o Paraná Clube não merece estar nessa situação”, emendou o camisa 4 paranista.

Diante da Chape, o técnico Gilmar Dal Pozzo, sem poder contar com o volante Luan, abriu mão de um homem no meio de campo, colocou o zagueiro Philipe Maia e armou uma linha defensiva com cinco jogadores. A estratégia não deu certo, já que o time paranista foi inoperante no ataque e sufocado pelo time catarinense durante os primeiros 45 minutos.

Na etapa final, o treinador abriu mão dos três zagueiros e o Paraná voltou a ser competitivo. Criou, assim, pelo menos três boas oportunidades de marcar e teve uma penalidade não marcada em cima do meia-atacante Gabriel Pires já na reta final da partida.

Com o revés, o Paraná seguiu na 18ª posição, com 32 pontos, três a menos que o Figueirense, primeiro time fora da zona de rebaixamento. Para sair do Z4, o time paranista terá que vencer o Botafogo-SP, segunda-feira que vem, na Vila Capanema, e torcer por derrotas do Náutico e do Figueirense, que enfrentam Confiança e Oeste, respectivamente.