Foto: Arquivo Pessoal

A torcida paranista tem boas lembranças de Márcio Nobre, atacante que se aposentou na temporada passada, aos 39 anos, no Gençlerbirligi, da Turquia. Formado nas categorias de base do Tricolor, Nobre se diz muito grato ao clube e afirma que sua carreira poderia ter sido outra, se ele não tivesse entrado em campo contra o Gama, pelo Brasileirão de 1999, ao ser chamado pelo então técnico Abel Braga, para substituir o meia Nélio.

“Eu tinha 19 anos e estreei naquele dia [16 de outubro de 1999]. O Abel havia me promovido do time inferior e eu entrei nervoso. Já na primeira bola, no primeiro cruzamento, eu fiz o gol da vitória”, relembra o ex-atacante, em entrevista à Banda B.

Ao todo, entre os anos de 1999 e 2002, o atacante marcou 55 gols com a camisa paranista, sendo o quinto maior artilheiro da história do Tricolor. Ele também formou uma das melhores duplas de ataque da história do Paraná, com Maurílio, em 2001 e 2002.

“Tenho um carinho enorme pelo Paraná. Se eu tive a oportunidade de realizar sonhos na minha carreira, jogar no Japão, Turquia e Suíça, eu devo isso ao Paraná. Torço muito pelo clube, pois foram três anos e meio muito especiais, pois fui campeão brasileiro do Módulo Amarelo em 2000”, diz Márcio, que também teve passagens vitoriosas por Cruzeiro, Fenerbahçe e Besiktas.

Hoje auxiliar técnico na Turquia, o ex-atacante pretende concluir sua formação como técnico de futebol, após o fim da pandemia do novo coronavírus.

“Quero tirar minha licença e já pensar na carreira. Aqui na Turquia a federação d decidiu que o campeonato voltará no dia 12 de junho, então nós voltaremos a treinar, em grupos menores, mas com todos os cuidados possíveis e as recomendações da saúde. Quem sabe, após tudo isso, eu possa voltar ao Brasil como treinador?”, indagou Márcio Nobre, olhando para o futuro.