Barbosinha é o técnico do Bahia de Feira. (Divulgação)

O Bahia de Feira está em Curitiba para surpreender o Paraná e avançar para a terceira fase da Copa do Brasil. Em entrevista à Banda B, o técnico Barbosinha admitiu que o favoritismo é do Tricolor de Vila Capanema, mas prometeu uma equipe que vai entrar em busca da classificação.

“A gente sabe do favoritismo do Paraná, mas o favoritismo termina quando o jogo começa porque é atitude, vontade, disposição tática e física. O nosso time é muito comprometido e com jogadores com rodagem pelo futebol brasileiro. Nós vamos respeitar a história e o tamanho do Paraná, mas só enquanto a bola não rola. Ninguém ganha ou perde antes e vamos tentar fazer um bom jogo”, declarou Barbosinha.

De acordo com o treinador, o Bahia de Feira é um time “ousado e alegre” e com potencial. “Se buscar os jogos do nosso time, ele é ousado, independente de onde joga, e alegre. Não é um bom time robotizado, é bem distribuído taticamente, tanto na construção, quanto no desarme. É um time que tem muito potencial, é um futebol ousado, irreverente. A proposta de jogo é sempre neutralizar, mas jogar”, avaliou.

“Vão ver um time novo em campo. Tem o jogador mais novo da Copa do Brasil que é o Fabrício, que completa 17 anos em junho. O goleiro titular tem 19 anos, o reserva tem 16, e isso mostra o trabalho fortalecido nas categorias de base”, acrescentou Barbosinha.

Crescimento nos últimos anos

A equipe de Feira de Santana disputa a Copa do Brasil pela terceira vez e busca a melhor campanha da história. Em 2012, o Bahia eliminou o Aquidauanense-MS, mas caiu na segunda fase para o São Paulo pelo placar de 5 a 3. Já em 2014, a queda foi logo na estreia com derrota para o Corinthians por 2 a 0.

Desde a última participação na Copa do Brasil, o Bahia de Feira teve resultados relevantes no cenário do estadual: vice no Campeonato Baiano de 2019 e participação na Copa do Nordeste do mesmo ano. “Bahia de Feira é um time que se estrutura no futebol brasileiro, referência no Nordeste e cresceu em todos os sentidos, tanto resultado em campo, como em estrutura. Tem seu estádio próprio, com um campo muito parecido com o Athletico. Dentro de campo, o clube vem alcançando os resultados na base e no profissional”, contou Barbosinha.

Readaptação ao gramado natural

O Bahia de Feira realizou uma readaptação ao gramado natural para a disputa da partida contra o Paraná. A Arena Cajueiro, com capacidade para 4 mil torcedores, tem grama sintética. “Todos que vão jogar no nosso campo sentem. Por outro lado, como jogamos muitas partidas fora, a adaptação é quase que momentânea. Nós treinamos no campo do Coritiba e a dificuldade é na batida da bola parada, como vai apoiar o corpo. Já fizemos uma readaptação para o campo natural”, disse o técnico.