Paraná reclamou da arbitragem no tropeço com o Cianorte. (Geraldo Bubniak/AGB)

O Paraná Clube segue sem vencer dentro de casa na temporada de 2020. Na noite deste domingo (9), o Tricolor até teve mais volume de jogo, mas não saiu de um empate em 0x0 diante do Cianorte, na Vila Capanema, chegou aos seis pontos e segue na oitava colocação na classificação do Campeonato Paranaense. Os jogadores paranistas saíram de campo na bronca contra a arbitragem e lamentaram também o excesso de chuva, que castigou a capital do Estado.

“É complicado, porque quanto a gente estava impondo nosso ritmo começou a chuva. Ficou um jogo de muita força. Nosso time é técnico. Não podemos baixar a cabeça. Estamos evoluindo. A arbitragem também prejudicou, atrasou muito o jogo e agora temos que trabalhar para conseguir os três pontos contra o Operário”, afirmou o lateral-esquerdo Juninho.

As reclamações contra a arbitragem foram além. O zagueiro Fabrício, capitão do time paranista, afirmou que a atuação do árbitro Robson Babinski foi tendenciosa e prejudicou o Paraná Clube diante do Cianorte.

“Espero que o observador da arbitragem esteja vendo isso. Foi uma arbitragem tendenciosa. O campo ficou ruim e o árbitro quando a gente ia falar ameaçava com o cartão amarelo, muito ruim. É complicado. Eu não gosto de falar de arbitragem, mas fui falar com ele no intervalo com educação e ele já ameaçou dar cartão. Isso acaba irritando, tirando o foco. É complicado”desabafou Fabrício.

O fato é que a situação do Tricolor no Campeonato Paranaense não é das melhores. Está na oitava posição e precisa pontuar na próxima rodada para não sair do G8 do Estadual. Já são também quatro jogos sem vencer no torneio, mas isso não impacta em nada a sequência do time paranista, segundo o volante Kaio.

“Não impacta em nada. Vamos continuar trabalhando, fazer o que vem fazendo que as coisas vão voltar ao normal”, finalizou o camisa 8 paranista.