Leonardo Oliveira, presidente do Paraná – Foto: Geraldo Bubniak/AGB

Mesmo sem ter fechado o acordo de terceirização de seu futebol, o Paraná Clube quitou todas as pendências salariais da temporada 2019. A informação foi confirmada pelo Juiz do Trabalho, José Wally Gonzaga Neto, em Termo de Conclusão publicado pelo Tribunal  Regional de Trabalho da 9ª Região. O clube devia a funcionários e ex-atletas a quantia de R$ 2,3 milhões.

“Retiro o sigilo da petição protocolada pelo Paraná Clube, pois acredito ser de extrema importância a divulgação de que o Clube executado honrou o pagamento de todos os salário atrasados do ano de 2019”, escreveu o magistrado. “Mesmo sem ter conseguido, até o momento, finalizar a terceirização do setor de futebol, e que tem procurado todos os meios para continuar honrando tais pagamentos”, acrescenta Gonzaga Neto.

Terceirização

Em fevereiro deste ano, o Conselho Deliberativo do Tricolor aprovou a proposta da Total Sports (TSI), empresa britânica, que é uma das cotadas para gerir o futebol paranista nos próximos três anos.

A proposta apresentada foi, além do investimento nas categorias de base e uma possível reforma na Vila Olímpica do Boqueirão, um aporte financeiro para o futebol profissional de 600 mil euros em 2020. No dois anos seguintes, o valor aumentaria. Assim, o Paraná Clube teria 1,2 milhão de euros em 2021 e 2,4 milhões de euros em 2022. Esse valor, segundo informações repassadas na reunião, entrará na totalidade no clube e não terá o desconto de 20% que seria destinado ao Ato Trabalhista.

Além desse aporte, o Paraná Clube seguirá contando com as verbas de televisão, de bilheterias, de sócios e de possíveis patrocinadores. A contrapartida para os investidores será o percentual na venda de jogadores em negociações futuras.

Além desse aporte financeiro, a TSI vai repassar 500 mil euros para o pagamento dos salários atrasados de 2019, ou seja, R$ 2,3 milhões, conforme solicitou a Justiça do Trabalho quando abriu concorrência para o arrendamento do departamento de futebol em dezembro do ano passado. Esse valor, no entanto, terá que ser devolvido pelo Paraná em 24 meses.