Aprovada pela 1ª Vara de Falências e Recuperação Judicial na terça-feira (12), a SAF do Paraná Clube agora pode ser consolidada, com a aquisição do clube pela Carpa Gestora de Recursos. Há pressa para completar o negócio, principalmente para a incorporação de outra SAF, muito provavelmente o Cianorte. Mas há prazos correndo, e todos envolvem a Justiça. No seu último despacho, a juíza Mariana Gusso determinou três ofícios a entes distintos.

O de prazo mais curto foi enviado ao Ministério Público. Especialmente para a 1ª Promotoria da Fazenda Pública, Falências, Recuperações Judiciais e Execuções Fiscais. São cinco dias corridos (até o dia 17) para o MP deliberar sobre a autorização da venda da SAF do Paraná Clube. Em processos semelhantes, os promotores reforçaram o pedido de garantia do pagamento dos débitos. No caso do Tricolor, o leilão da sede da Kennedy e das cotas de potencial construtivo da Vila Olímpica terão os valores revertidos para quitar as dívidas incluídas ou não na recuperação judicial.

Pulando a ordem, o leilão também tem seu prazo. O leiloeiro oficial Hélcio Kronberg já foi notificado e tem 20 dias (até o dia 2 de janeiro) para realizar a avaliação da sede da Kennedy e iniciar o processo. O mesmo Kronberg comandou o leilão do estádio Nelson Medrado Dias, que acabou suspenso após liminar concedida à prefeitura de Paranaguá. Em auditoria independente, liderada pelo ex-jogador e engenheiro Nivaldo Carneiro, a área e as benfeitorias da Kennedy valem R$ 87 milhões.

A parte do Paraná Clube

Já o Paraná Clube tem dez dias (portanto, até o dia 22) para apresentar à juíza Mariana Gusso a “modalidade com que pretende a venda desta (através de leilão, proposta, proposta com stalking horse, etc.), inaugurando esse processo competitivo, para que possa ser avaliado pelo administrador
judicial e homologado pelo juízo o formato a ser proposto”, como diz o despacho. Com a venda da SAF para a Carpa já aprovada internamente, cabe ao Tricolor agora destrinchar o negócio na Justiça.

Enquanto isso, devem ser aprofundadas as negociações para a compra do Cianorte pela SAF do Paraná Clube. Na nota em que negou a “fusão”, a diretoria do Leão do Vale abriu uma porta para negociação, não falando sobre “aquisição” ou “incorporação” – quer dizer, não negou uma possível venda. Caso o acerto demore, não será surpresa se o Tricolor jogar o Paranaense e a Copa do Brasil ainda como Cianorte, ‘voltando’ na Série D do Campeonato Brasileiro.

Sede do Boqueirão do Paraná Clube.
O valor da venda de cotas de potencial construtivo da Vila Olímpica do Boqueirão vai direto para o pagamento de dívidas. Foto: Arquivo

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

SAF do Paraná Clube: os próximos passos

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.