Há alguns meses negociando no mercado, o Paraná Clube está cada vez mais confiante no acordo de sua SAF sair em breve. A diretoria não confirma, mas existe uma proposta oficial que tem como principal objetivo recolocar o Tricolor na Série B do Campeonato Brasileiro em quatro temporadas e resgatar a autoestima do torcedor, que não vê seu time em campo desde 25 de junho – e só verá no final de abril do ano que vem, na disputa da segunda divisão do Paranaense.

A proposta, noticiada pelo Um Dois Esportes, confirma as negociações intensas desde a homologação do plano de recuperação judicial do Paraná Clube, feita pela Justiça no início de setembro. De igrejas a atacadistas, algumas empresas interessadas sondaram o Tricolor. Uma destas deu o passo à frente, chegando com a proposta que já está nas mãos da diretoria. Mas quem está por trás desta possibilidade real de SAF paranista é um antigo chefão da Rede Globo.

O Paraná Clube está sendo ajudado pela Bridge Sports Capital, que “tem como missão fazer a conexão entre os clubes de futebol e o mercado financeiro”, como informa o site da empresa. O Tricolor já está incluído no rol de clientes da BSC (ver imagem abaixo), assim como Vila Nova, São Bento, Juventude, Joinville e Náutico. No mesmo site, a BSC coloca como primeiro ponto de seu trabalho a “intermediação de compra e venda de clubes de futebol”.

A relação entre o Paraná Clube e a Globo

Marcelo Campos Pinto, dono da Bridge, que negocia com o Paraná Clube.

Dois dos donos da Bridge, que negocia a SAF do Paraná Clube, foram importantes executivos do Grupo Globo. Em especial Marcelo Campos Pinto (foto), que por 16 anos foi o responsável pelas negociações de direitos esportivos para Rede Globo e SporTV. Chegou a ser um dos homens mais poderosos do futebol brasileiro. Em seu período, a empresa detinha praticamente todos os principais eventos do esporte mundial, dos campeonatos estaduais ao UFC. Campos Pinto deixou a Vênus Platinada em 2015, e de lá para cá passou a ser sócio de diversas empresas ligadas ao futebol e a negócios de mídia.

Ao seu lado está Raul Costa Júnior, que foi diretor de jornalismo da RBS (afiliada da Globo no Rio Grande do Sul), diretor de eventos esportivos da TV Globo e diretor geral do SporTV por dez anos. Ele também é sócio do diário Lance!. Fechando o grupo de sócios da BSC, que ajuda o Paraná Clube a fechar a SAF, está o economista curitibano Fernando Ferreira, dono da Pluri Consultoria. Ferreira, Costa e Campos Pinto também são sócios da Sportsview, empresa de consultoria que chegou a comprar os direitos de transmissão do Campeonato Carioca em 2021 e 2022.

Paraná Clube.
O Paraná Clube em destaque no site da Bridge Sports Capital. Foto: Reprodução

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Ex-poderoso da Globo está por trás da SAF do Paraná Clube

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.