A temporada 2024 está começando para o Paraná Clube. Dentro e fora dos gramados. Na próxima quarta-feira (21) acontece na sede da Federação Paranaense de Futebol (FPF) o arbitral para definir o regulamento da segunda divisão do Campeonato Paranaense. Única competição do Tricolor no ano, que durará três meses e é fundamental para as próximas temporadas.

Ate por isso, o técnico Tcheco já começou o planejamento para o torneio. Após a entrevista na qual foi apresentado como treinador, ele e a diretoria se reuniram na Vila Capanema para discutir algumas questões, como, por exemplo, a contratação de reforços.

Uma mudança de postura em relação a anos anteriores, quando parceiros eram responsáveis por buscar novos atletas e montar elenco e comissão técnica. Agora, o futebol voltou a ser cuidado pela diretoria paranista. E isso tem uma explicação: a SAF.

Paraná Clube já iniciou procedimentos para virar SAF

Nos últimos dias, o Paraná Clube anunciou o fim de parcerias, como a com o empresário Marcos Amaral, por exemplo. Tudo para que todos os ativos estejam sob cuidados de quem está no Tricolor, o que é necessário para que o clube possa se tornar empresa.

“Encerramos os contratos com todos os parceiros. É de conhecimento de todos que estamos em tratativas para a entrada de um possível investidor e para isso os ativos do clube têm que estar à disposição para poder ser aportado na SAF. Agora, o clube pode tocar o futebol dentro das condições que é permitido”, disse Ailton Barboza, presidente paranista em exercício.

Mudança também por conta das melhorias internas. Por causa do processo de recuperação judicial, o Paraná Clube tem um controle melhor do pagamento das suas dívidas, o que permitiu que a diretoria focasse em todas as áreas novamente.

“Assumimos o clube em um momento muito difícil, uma sequência de rebaixamentos. O clube não tinha uma condição mínima de exercer uma atividade dentro do futebol e exigia ações emergenciais na questão administrativa. Nosso foco era na administração e empresas tocaram o futebol, sem alcançar o objetivo esperado. Mas esse ano é uma condição um pouco diferente. Não estamos em uma condição muito melhor, mas estamos no processo de recuperação judicial e tem suas contas equacionadas. Então, temos que nos manter dentro dessas condições e não gerar mais passivos. E hoje, estamos em uma condição que o clube pode assumir o futebol também”, acrescentou o mandatário paranista.

Parceria com o Cianorte totalmente descartada

E nas buscas pela reestruturação e parcerias para a SAF, Ailton Barboza, nas entrelinhas, admitiu que o Paraná Clube buscou um acordo com o Cianorte para pular etapas e ainda em 2024 disputar a primeira divisão do Paranaense e a Série D do Campeonato Brasileiro.

Algo que não foi para frente muito por conta de prazo. Com isso, o Tricolor desistiu desta “manobra” e tentará pelas próprias pernas conquistar o acesso e em 2025 estar na elite Estadual, brigando por um calendário nacional novamente.

O que o clube tinha de efetivo era uma proposta não vinculante, que dependia de um calendário que, infelizmente, não aconteceu, em função dos problemas que vieram desde a CBF. Então não conseguimos efetivar dentro do prazo. Aquela proposta não existe mais. O real que nós temos é o calendário da Série B do Estadual”, completou Ailton Barboza.

Ailton Barboza, presidente do Paraná Clube
Ailton Barboza, presidente do Paraná Clube. Foto: Ernani Ogata/Código 19

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Presidente do Paraná Clube admite negociações avançadas por SAF e atenção ao futebol

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.