Rafael LimaRafael Lima declarou que a responsabilidade pelo momento crítico do Paraná é dos atletas. (Geraldo Bubiniak/AGB)

O Paraná vive um momento delicado com os tropeços na últimas rodadas e já tem quatro pontos de desvantagem para o primeiro time fora da zona de rebaixamento. Em entrevista, o zagueiro Rafael Lima afirmou que a responsabilidade é dos atletas e cada jogador precisa fazer uma autocrítica para evitar erros.

“A pontuação diz isso. O nosso desempenho é horrível e a responsabilidade é dos atletas. Trocou ‘N’ treinadores, filosofia diferente, com pensamento diferente, mas a maioria segue como titular. Cada um tem que olhar para si e ver o que tem de errado para não cometer os erros. Se a individualidade tiver muito forte, vai ajudar muito o coletivo”, afirmou o zagueiro.

A situação complicou após empate com o Botafogo-SP e derrota para o Náutico, dois concorrentes diretos, mas ainda é reversível. Para o zagueiro, o Tricolor segue vivo pelos tropeços dos adversários e tudo pode melhorar com uma vitória. “Os adversários diretos pontuaram pouco também a não ser o Náutico que, infelizmente, nos venceu. O próprio Figueirense fez um ponto apenas nos últimos jogos e o Vitória perdeu para o América-MG. A gente sabe que tudo se resolve com vitória e precisa o mais rápido possível fazer os três pontos para almejar a saída do Z4”, disse.

E para voltar a vencer, o Tricolor enfrenta o CSA, nesta terça-feira (12), às 19h15, na Vila Capanema. Rafael Lima sabe da dificuldade, mas relembrou dos momentos que a equipe paranista brigou com as equipes que hoje estão no G4. “O CSA é uma equipe qualificada, mas a gente mostrou em alguns momentos que tem condição de brigar com todas as equipes. Tem que ter consciência e concentrar o jogo inteiro”, disse.

“[CSA vai] procurar vencer até porque querem retornar ao G4. Conheço o Mozart e tive a possibilidade de trabalhar com ele durante dois anos. Ele é um cara muito inteligente, pensa muito futebol e procura propor o jogo. A gente tem que marcar muito bem e ser lúcido e ‘matar’ o jogo quando tiver com a bola”, acrescentou.