Tricolor perdeu para o Brasil de Pelotas na Vila Capanema e complicou um pouco mais sua situação na Série B. (Geraldo Bubniak/AGB)

Paraná Clube vive uma situação delicada na Série B deste ano, a equipe tem um risco iminente de queda para a Série C e precisa melhorar seu rendimento dentro de campo se quiser permanecer na segunda divisão do Brasileirão. Segundo o matemático Tristão Garcia, o Tricolor tem 61% de chances de ser rebaixado, mas o time paranista ainda pode se recuperar, só que para isso precisa aumentar seu aproveitamento de 35% para 52%, ou seja, jogar bola como o Juventude, que é o 4º colocado da competição.

Com a vinda do técnico Gilmar Dal Pozzo, o Paraná Clube ensaiou uma reação. Na segunda partida sob o comando do novo técnico, a vitória voltou a acontecer. Nas contas do treinador, o número mágico para garantir a permanência na Série B é 45 pontos. No momento o Tricolor soma 32, portanto precisa de mais 13 para respirar aliviado.

Em uma conta simples, o Paraná vai precisar de quatro vitórias e um empate para não ser rebaixado para a Série C, algo que seria inédito na história do clube, que recentemente completou 31 anos de existência. Faltam agora oito partidas até o final da competição e para somar pontos o clube terá adversários diretos na luta contra o rebaixamento.

Botafogo-SP, Náutico e Oeste são os clubes com mais chances de caírem de divisão e o Tricolor precisa vencer sem exceção estas três equipes e ainda bater mais um time dos demais confrontos, que não serão nada fáceis. A começar pela da próxima partida, a Chapecoense, que recebe o Paraná Clube na Arena Condá, no dia 28 de dezembro, às 20h, em jogo válido pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B.