Iago Maidana marcou cinco gols pelo Paraná. (Geraldo Bubniak/AGB)

Um dos principais nomes do time que conseguiu o acesso à Série A, em 2017, o zagueiro Iago Maidana, de 24 anos, guarda com carinho sua passagem pelo Paraná. Com cinco gols em vinte e seis partidas, o jogador é até hoje lembrado pela torcida paranista. Recentemente, ele foi eleito pela equipe da Banda B como um dos jogadores da década do Tricolor.

Em entrevista ao Balanço Esportivo, o atual defensor do Sport, de Recife, relembrou aquela campanha e destacou a união do elenco para conseguir a vaga para a primeira divisão, mesmo após constantes trocas no comando técnico da equipe, que teve quatro treinadores naquele ano.

“Quando eu cheguei, assisti um jogo na Vila Capanema contra o Figueirense e o estádio estava vazio, com a torcida vaiando. Aquilo me deixou incomodado, porque eu queria que o clube fosse meu ‘divisor de águas’ na carreira. Com a chegada do Lisca, e o trabalho do Matheus, conseguimos transformar aquele em um ano maravilhoso, um marco na história do Paraná. A campanha na Série B foi muito boa, mas tivemos bons jogos também na Copa do Brasil e eliminamos o Flamengo na Primeira Liga”, detalhou o zagueiro.

Jogo Marcante

Com a dupla de zaga formada com Eduardo Brock, Maidana fez parte da terceira melhor defesa daquela Série B, atrás apenas de Internacional e América Mineiro. A partida contra o time gaúcho, inclusive, foi eleita pelo jogador como o momento mais marcante de sua passagem pelo Tricolor.

“Naquele jogo, com a Arena lotada, a torcida fez uma festa linda. Me arrepio toda vez que lembro e escuto a narração do meu gol, que deu a vitória contra o Internacional, com mais de 40 mil pessoas no estádio”, relembra emocionado.

Lisca

Outro ponto abordado durante a entrevista foi a demissão do técnico Lisca às vésperas da partida contra o Atlético Mineiro, pela Primeira Liga. O desligamento do treinador ocorreu após confusão e briga com demais integrantes da comissão técnica no hotel em que a equipe está hospedada em Belo Horizonte. Maidana contou como a união da equipe foi essencial para continuar o foco na temporada.

“Tivemos muitas trocas de treinador naquele ano e isso poderia ter atrapalhado a equipe, mas nos unimos e abraçamos o Matheus até o fim. Mas foi um baque por conta da bela campanha. O Lisca ganhou até música da torcida e era um momento de embalo. Quando ele saiu, foi realmente complicado, porque a gente achava que ele era realmente fundamental. Só que fundamental mesmo era o grupo de trabalho, porque todos estavam focados. Quando o Matheus assumiu, sabíamos que ele seria o cara para nos levar ao acesso”, completou o zagueiro.