Guilherme Biteco vem de um histórico de lesões e conseguiu fazer um gol após 2 anos. (Luiz Ferraz/Banda B)

Cirurgias, recuperação, incertezas e nada menos do que um ano e sete meses sem disputar uma partida oficial. O retorno do meia Guilherme Biteco foi gradativo e agora o jogador vem colhendo os frutos do esforço realizado nos últimos meses. Foi dele o gol do empate em 3×3 do Paraná Clube diante do Cuiabá, na noite desta quarta-feira (21), na Arena Pantanal, em Cuiabá, e que deixou o time paranista a dois pontos do G4 da Série B do Campeonato Brasileiro.

Momento marcante e que emocionou não apenas Biteco, mas também todo o elenco e a comissão técnica paranista. Em entrevista exclusiva à Banda B, o jogador afirmou que passou um filme na sua cabeça e fez questão de agradecer o Paraná Clube por ter aberto as portas mais uma vez para que ele pudesse se recuperar e voltar a jogar em alto rendimento.

“Passou um filme na minha cabeça . O meu agradecimento por tudo, ao Paraná por abrir as portas para mim novamente. Não é qualquer clube que faz pelo atleta o que o Paraná fez. Fiquei muito feliz e muito grato. Deu vontade de abraçar o pessoal que sempre esteve comigo. Minha família, esposa, meu afilhado que estava me cobrando esse gol. Agradeço a todos pelo apoio, até pelas chacotas que a gente recebe. A gente não pode levar para o coração. Temos que seguir trabalhando. Merecia esse gol por tudo o que passei e trabalhei”, afirmou Biteco.

Guilherme Biteco, ainda quando atuava pelo São Caetano, jogou pela última vez no dia 24 de janeiro de 2019, pelo Campeonato Paulista. Depois, passou mais uma vez por uma cirurgia e foi um longo período de recuperação. Mesmo não sendo relacionado para alguns jogos, o meia fez questão de agradecer o técnico Allan Aal e enalteceu a importância do treinador nesse processo.

“É passo a passo. Acredito que no começo, logo que eu voltei, estava muito preocupado com o reforço muscular para não ter lesões e deixei de lado a parte técnica. Entrei abaixo e hoje acredito que estou bem fisicamente e tecnicamente. Tenho que agradecer ao Allan (Aal), que mesmo quando ele não me leva para os jogos, ele conversa comigo e faz você se sentir muito importante como atleta, sabendo que faz parte do grupo e do processo. O Allan dá a atenção e não é fácil para ele segurar e colocar. Agradeço a ele e todos os envolvidos da comissão por todo o carinho por mim”, emendou Biteco, que avaliou de maneira positiva a atuação do Paraná no empate diante do Cuiabá, apesar do empate.

“A gente vem trabalhando bastante. Jogamos um pouco diferente do que a gente vinha. A gente esperou um pouco mais eles. Estava muito quente, muito difícil de jogar. A proposta do Allan foi muito boa e poderia ter vindo o resultado positivo para qualquer time. O empate ficou de bom tamanho”, prosseguiu Biteco.

Guilherme Biteco entrou no segundo tempo e marcou um golaço de voleio no empate diante do Cuiabá. O jogador afirmou que foi o gol mais bonito na sua carreira. “Quando era mais novo sempre fiz essas brincadeiras. Quando brinco com meu afilhado a gente faz o desafio de fazer gol de voleio. Foi sim o gol mais bonito da minha carreira como profissional”, arrematou.