Eduardo Brock foi capitão do Paraná no acesso à Série A em 2017 (Geraldo Bubniak/AGB)

O time do Paraná de 2017, que conseguiu o acesso Série A naquela temporada, ainda ecoa na lembrança da torcida. Na época, o clube amargava dez anos sem disputar a elite do futebol brasileiro e, jogo após jogo, se uniu àquele grupo de jogadores extremamente identificado com os paranistas, formado por nomes como o meia Renatinho, o lateral Cristovam e a dupla de zaga Iago Maidana e Eduardo Brock. Este último, inclusive, foi o capitão da equipe que é considerada a melhor da última década na Vila Capanema.

Em entrevista à Banda B, durante o programa Balanço Esportivo, Brock, com 29 anos, relembrou sua passagem pelo Paraná e elegeu a partida contra o Internacional, com quase 40 mil pessoas na Arena da Baixada, como um ‘divisor de águas’ na campanha do clube que terminaria aquela Série B com o quarto lugar. O sistema defensivo do Tricolor terminou a competição com a terceira melhor zaga da segunda divisão, atrás apenas do campeão América Mineiro e do Internacional.

“Aquela partida foi fundamental. O jogo não foi vencido apenas pelos jogadores, com o gol do Maidana, mas também pela torcida, que lotou o estádio e nos empurrou em cada segundo. Tudo foi uma soma do que transformou aquele ano em algo maravilhoso nas nossas vidas”, contou o zagueiro.

Campanha

O ano de 2017 para o Paraná Clube começou logo com boas atuações. No Paranaense, a equipe terminou com a melhor campanha na primeira fase, oito pontos a frente do Coritiba, segundo colocado. Mas a equipe foi log eliminada nas quartas de final para o Athletico, após perder o primeiro por 1×0 na Arena e empatar sem gols na Vila Capanema.

Na Série B, a equipe sofreu com a mudança de técnico antes mesmo do início da competição, com a ida de Wagner Lopes para o Japão. Para o seu lugar, foi chamado Cristian de Souza, que não conseguiu manter os bons resultados de seu antecessor. Lisca e Matheus Costa ainda seriam os técnicos paranistas até o fim da temporada, que culminou em uma semifinal de Primeira Liga, nas oitavas de final da Copa do Brasil e na quarta melhor campanha da Série B.

“O ano foi maravilhoso, tivemos boas atuações em todas as competições. Tudo correu da melhor forma possível e todos os jogadores se doaram mais que o usual para conseguir todos os nossos objetivos. O clube vinha de dez anos na Série B, sabíamos disso, e a torcida abraçou o nosso projeto”, relembrou Eduardo Brock.

Carreira

Atualmente no Ceará, o zagueiro ainda passou pelo Goiás pós-2017, mas não conseguiu repetir as boas atuações da época de Paraná Clube, que ele considera seu melhor momento na carreira. “Foi a minha grande temporada como jogador de futebol. Aquele foi ano em que eu melhor joguei, que mais fui regular e mais fiz partidas. Guardo o Paraná no meu coração. Um dia, quem sabe eu possa voltar a vestir essa camisa, pela qual tenho uma identificação muito grande”, finaliza.