Da redação

Assoalho da casa foi a parte mais atingida (Foto: Divulgação/Arquivos Pessoais)Assoalho da casa foi a parte mais atingida (Foto: Divulgação/Arquivos Pessoais)

A gremista Patrícia Moreira, pivô do caso de racismo durante a partida entre Santos e Grêmio pela Copa do Brasil, no último dia 28, teve sua casa queimada na madrugada desta sexta-feira (12), em Porto Alegre. Patrícia foi flagrada por câmeras chamando o goleiro do Santos Aranha de Macaco e desde então ficou nos holofotes da mídia de todo o Brasil. Por volta das 4h da madrugada, o Corpo de Bombeiros foi chamado no local por causa do fogo que atingia especialmente o assoalho.

O advogado da gremista, Alexandre Rosatto, disse que a jovem deixou a residência após o incidente do dia 28, e colocou o lugar para ser alugado. Alexandre fez questão de deixar claro que o acontecido da madrugada foi um “absurdo”. “Não temos ideia dos autores, mas o que está acontecendo é um absurdo. Estão tendo atos muito mais criminosos do que qualquer crime que ela tenha cometido”, disse ele para o jornal Zero Hora.

Um dos irmãos de Patrícia vai prestar queixas na Polícia Civil na tarde de sexta-feira junto com o defensor da jovem. Patrícia já foi também ameaçada de morte e de estupro depois dos casos de racismo que ocorreram durante a partida.