Foto: Felipe Dalke/Banda B

Com uma das folhas salariais mais baixas da Série B, o Paraná Clube faz um campeonato de superação em 2019. Com 47 pontos, e a dois do G4, a equipe viveu o céu e o inferno por diversas vezes nesta temporada, com sequências de vitórias e salários atrasados pelo meio do caminho. Agora, a seis rodadas do fim do torneio, o técnico Matheus Costa diz ainda acreditar no acesso – e lamentou o conturbado momento político fora de campo na Vila Capanema.

“Dependemos do nosso trabalho e temos muito potencial para alcançar o acesso. Desde que eu cheguei, tenho ouvido muitas críticas, não só em relação a mim, mas ao elenco também. Muita gente não sabe o que eu faço por esse clube, e ouço críticas todo dia, que me dão ainda mais força para atingir meu objetivo. Eu me dedico muito ao Paraná Clube”, desabafou após entrevista coletiva nesta sexta-feira (1) “Sabemos que o clube vive um momento político conturbado e que muita gente me critica, mas também tem muita gente que apoia o nosso trabalho”, acrescentou.

O treinador também analisou a crise financeira que vive o clube neste ano. “Já passamos por coisas aqui que eu considero inadmissíveis. É inadmissível, por exemplo, estarmos a dois pontos do G4 durante todo o campeonato, com uma média de público de duas, três mil pessoas na Vila, e ainda com faixas de  ‘Fora Matheus’, faltando tão pouco para o acesso. Se fosse em 2017, com uma média de 10 mil torcedores, nós já estaríamos em terceiro ou quarto. Talvez nem o salário estivesse atrasado. Eu fui o treinador do acesso e tivemos apoio de 100% naquele ano”, relembrou.

O Paraná Clube volta a campo na terça-feira (1), contra o América-MG, fora de casa, às 20h30, no Estádio Independência, em Belo Horizonte.

Confira a entrevista coletiva do técnico Matheus Costa

Coletiva do técnico Matheus Costa na Vila Capanema

Posted by Esporte Banda B on Friday, November 1, 2019