Por Rodrigo Dornelles

Coritiba segurou empate e foi à final. (Acervo/Revista Placar)Coritiba segurou empate e foi à final. (Acervo/Revista Placar)

O ano de 2015 é especial para o torcedor do Coritiba. A maior conquista da história do clube, o Campeonato Brasileiro de 1985, completa 30 anos. O título da Taça de Ouro é o maior orgulho coxa-branca e a Banda B irá resgatar a campanha histórica do Alviverde, revivendo um pouco de cada partida da equipe naquele torneio. Agradecemos ao Grupo Helênicos pela colaboração com algumas imagens que nos ajudam a ilustrar essa história.

Um dia abençoado. Há 30 anos, no dia 28 de julho de 1985, o Coritiba colocava os dois pés na decisão da Taça de Ouro. Depois de vencer na ida no Alto da Glória, o Coxa segurou o Galo no Mineirão e garantiu classificação à final. O dia em que o goleiro Rafael foi “canonizado” pela torcida alviverde.

Jogo anterior: Coritiba supera Atlético-MG no Couto e abre vantagem por vaga na final
Jogo seguinte: É campeão! Coritiba conquista o Brasil

Jogadores festejam no gramado. (Acervo/Revista Placar)Jogadores festejam no gramado. (Acervo/Revista Placar)

Precisando de apenas um empate para ir à decisão, o Verdão entrou em campo na capital mineira pensando exatamente em empatar. Considerado zebra mesmo após a vitória na partida de ida, o Coritiba e seus cerca de três mil torcedores que foram ao Mineirão teriam que lutar bravamente contra o forte Atlético-MG para “quebrarem a lógica” que já colocada os alvinegros na final.

Mas os atleticanos esqueceram de combinar o desfecho com os homens que vestiam verde. Motivados pela chance de uma disputa inédita, uma classificação inédita à Libertadores e um “bicho” generoso de 10 milhões de cruzeiros para cada jogador, os coxas-brancas foram a campo para o jogo de suas vidas.

A defesa alviverde não se comportou bem e os 65 mil atleticanos empurravam os 11 representantes em campo para cima do Coxa. Antes das redes, no entanto, havia Rafael. O goleiro fez uma partida fantástica e fechou o gol como quem defende a própria família. Ao final dos 90 minutos, após várias grandes intervenções do arqueiro alviverde e um polêmico lance em que a bola teria entrado antes de Rafael trazer a pelota novamente para fora, o placar ficou fechado.

Torcida comemora nas ruas de Curitiba. (Acervo/Revista Placar)Torcida comemora nas ruas de Curitiba. (Acervo/Revista Placar)

O empate era o que o Coritiba e sua torcida precisavam para fazerem a festa no gigante Mineirão. Os três mil alviverdes saudaram o “santo” Rafael, os zagueiros Gomes e Heraldo, o ponta Lela e cada um dos jogadores que faziam história em frente aos seus olhos. O Coxa garantia ali, sua passagem para a grande final contra o Bangu, que havia superado o Brasil-RS.

Na próxima sexta-feira (31), o especial Taça de Ouro 30 anos relembra a decisão entre Coritiba e Bangu, em jogo único disputado no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

Confira os melhores momentos do jogo: