Rodrigo Santana destacou o empenho dos jogadores do Coritiba. (Divulgação/Coritiba)

O Coritiba teve uma preparação complicada para o jogo contra o líder Internacional. Dias antes da partida, o clube teve cinco casos de Covid-19 e ainda perdeu o lateral-esquerdo William Matheus, que viajou para o Rio de Janeiro para o enterro da mãe. Por conta de toda a dificuldade, o técnico Rodrigo Santana destacou a entrega dos jogadores.

“Enfrentar o líder na sua casa, uma equipe montada para a disputa da Libertadores e muito forte. A gente teve uma semana muito boa de trabalho, mas acabou sendo pegos de surpresa na sexta-feira com oito desfalques para enfrentar o Internacional. Os jogadores absorveram muito bem a estratégia. Nós tivemos um pré-jogo com dificuldades, mas saímos com um sentimento de que poderia ter saído daqui com três pontos. Como bati na tecla na minha apresentação que queria viver jogo a jogo e não planejar pontuação, porque cada rodada é um cenário. Não estávamos preparados para encontrar dificuldades antes de um jogo duríssimo como esse. A rapaziada superou e se entregou”, avaliou o treinador.

Em campo, o Coritiba ficou com um jogador a mais após a expulsão do lateral-direito Heitor, mas levou o segundo gol pouco tempo depois. O comandante lamentou o vacilo em um momento favorável, porém, valorizou o ponto conquistado diante de um dos favoritos ao título.

“Quando uma equipe perde um jogador, o nível de atenção aumenta muito na marcação. Foi mérito nosso ter conseguido a expulsão de um jogador, mas um vacilo ter levado o segundo gol. A gente sai feliz com a entrega dos jogadores e alguns até improvisados. Tiramos um zagueiro com amarelo para não igualar número de atletas e fico feliz com um ponto daqui. Muitos adversários não vão conseguir arrancar ponto do Internacional”, disse Rodrigo Santana.

Na próxima rodada, o Coritiba tem confronto direto na briga contra o rebaixamento diante do Bahia. O técnico ressaltou a importância de vencer o jogo em casa e promete muito estudo sobre o adversário para não ser surpreendido. “A gente precisa viver jogo a jogo. O Bahia está próximo da gente, é um concorrente direto e também vive um momento de Sul-Americana. Dentro de casa, nós precisamos da vitória. Temos que estudar o adversário, saber onde pode nos surpreender e onde conseguir espaço. Foco total, somamos um ponto contra o líder e agora é procurar a vitória contra o Bahia para subir na tabela”, comentou.