Marcelo Foggiato Licheski, presidente do Conselho Deliberativo do Coritiba concedeu entrevista exclusiva à Banda B. (Divulgação/Coritiba)

Coritiba define nesta terça-feira (29) o seu presidente para o próximo triênio. Em razão dos decretos proibitórios estaduais e municipais, a votação foi alterada e está sendo feita de maneira online. Uma atualização do banco de dados foi feita para garantir que os sócios tivessem o cadastro em dia e também foram contratados os serviços de auditoria e de confecção de um site para o pleito.

Em entrevista exclusiva à rádio Banda B, no programa Meio Dia Esportivo, o presidente do Conselho Deliberativo do Coritiba, Marcelo Foggiato Licheski contou que as eleições, que tiveram inicio às 10h e irão até as 16h, têm sido um sucesso. “A eleição está sendo bastante tranquila, com a participação muito grande dos associados. Eu acho que realmente é um sucesso absoluto e quem sabe até uma modalidade sem volta”, ressaltou o conselheiro.

Em comparação com os pleitos anteriores de 2014 e 2017, a votação realizada em 2020 está tendo números maiores de participação dos sócios, mesmo com a diminuição de aptos a votar. “Em 2014, nós fizemos este levantamento agora, nós tivemos 3.638 votos de um colégio eleitoral de aproximadamente nove mil votantes. Em 2017, tivemos 2.825 votos de um colégio eleitoral de sete mi votantes. Quer dizer, desse colégio eleitoral de aptos [a votar em 2020], de 4.164, até as 12h já tínhamos 2.705 votos, posso dizer que realmente as eleições estão sendo um sucesso”, detalhou Marcelo Foggiato Licheski.

Previsão de divulgação do resultado oficial é de que seja anunciado o nome do novo presidente do Coritiba por volta das 16h15, pela internet, nas redes sociais do clube e no site oficial do Alviverde.

Valores gastos

Além de inovadora, a eleição online também trouxe economia aos cofres do Alviverde, que segundo o presidente do CD, “na última eleição, salvo engano, foi aproximadamente R$35 mil de custos, entre abrir o clube, estádio, seguranças, horas extras dos funcionários, um custo muito elevado e uma organização funcional muito grande. Hoje nós temos apenas um site, que custou exatamente R$18 mil, e uma auditoria de R$8.500. Então com menos de R$27 mil nós fechamos a auditoria e o site que está controlando as eleições”.

Edital válido

Com muitos rumores de que o processo de votação poderia ser contestado na justiça, o Conselho Deliberativo aprovou ainda em setembro o texto do edital sobre as eleições, que continha uma parte específica, onde permitia alterações em razão da pandemia.

“No próprio edital do dia 12 de dezembro, da data inicial das eleições, constou que o edital poderia sofrer alterações em virtude da pandemia. Ou seja, estávamos preparados e estamos seguros em relação a isso. O que fala no edital sobre sofrer alterações, pode ser tanto quanto data, tanto quanto local, como forma de votação. Só por isso, esse edital não foi impugnado, é válido, e será muito difícil derrubar na justiça”, atestou Marcelo Foggiato Licheski.