Reapresentação do time. (Divulgação/Coritiba)

Com a demissão do técnico Rodrigo Santana, a diretoria do Coritiba passa por um momento delicado para tomar decisões a longo prazo, isso porque as eleições da nova presidência do clube estão marcadas para o dia 29 de dezembro. Para evitar problemas, o auxiliar técnico da casa Pachequinho foi escolhido para assumir o comando interino do time.

O treinador já teve três passagens pelo clube, nos anos de 2015, 2016 e 2017, na sua última vez como técnico, foi efetivado no cargo, mas acabou sendo demitido após fazer uma campanha com 13 vitórias, seis empates e nove derrotas, o equivalente a 53% de aproveitamento na competição.

Conhecido pelo elenco, Pachequinho pode se tornar a esperança do Coritiba para voltar a vencer e sair da zona de rebaixamento da Série A. Neste ano, o técnico comandou o time entre a saída de Jorginho e a chegada de Rodrigo Santana, na vitória sobre o Atlético Goianiense por 1 a 0, e na derrota por 2 a 1 para o Bahia, quando Rodrigo estava com Covid-19.

A missão desta vez é tirar o Coxa da ZR, atualmente o time tem 21 pontos e está na 18ª colocação do Brasileirão. Para sair dessa, precisa tirar uma diferença que hoje, é de sete pontos para o Bahia, primeiro time fora da zona de rebaixamento. Mas a sequência dos próximos jogos não é nada fácil. Apesar de enfrentar o Botafogo, lanterna da competição, no sábado em casa, o Verdão terá pela frente o Atlético Mineiro, brigando pela liderança e logo após o Goiás, adversário direto dentro da ZR.

O número mágico para não ser rebaixado é de 45 pontos na competição, com mais 12 rodadas pela frente, o Alviverde tem 36 pontos a serem disputados. Ou seja, são necessárias oito vitórias nestes doze jogos para escapar da Série B no ano que vem. Essa reação deve começar agora, com Pachequinho no comando, mesmo que interino, até o dia 29 de dezembro.