Jorginho argumenta ausência de contratações recentes na partida. (Geraldo Bubiniak/AGB)

Após a partida com o Fortaleza e o empate em 0 a 0, técnico do Coritiba, Jorginho falou em coletiva de imprensa sobre as suas escolhas no jogo. Primeiro sobre o que aconteceu no primeiro tempo, quando o Tricolor do Pici envolveu mais o Coxa furando a marcação.

“Nós fomos até certo ponto dominados no primeiro tempo, a gente sabia que estávamos com dois jogadores na frente, que no caso do Giovanni Augusto, nós acertamos na marcação no segundo tempo com o Juninho, mas sabíamos que a nossa primeira linha, com a marcação linha alta ia sofrer por conta do Ricardo Oliveira, que não estava no melhor da sua forma física e nem ritmo de jogo”, destacou Jorginho.

Na segunda etapa, o Coritiba reagiu e teve um pouco mais de folego no jogo, o que segundo o técnico foi resultado da
Depois o treinador falou sobre algumas mudanças questionadas e outras esperadas que não aconteceram, caso de Neílton e Sarrafiore, que estão à disposição do treinador, mas acabaram não entrando em campo na noite deste sábado (10).

“Hugo e Matheus Sales fizeram um trabalho maravilhoso, não apenas na parte defensiva, mas também em termos de construção, então a gente estaria expondo muito a equipe ao ponto de talvez tomar um gol. Por isso achei desnecessário a gente ter as cinco substituições”, explicou. Jorginho ainda afirmou que, tanto Neílton, quanto Sarrafiore, “são jogadores que contamos com eles, mas se eu não coloquei é porque eu acreditava que mais no Yan Sasse e no Nathan.

Jorginho foi incisivo ao ressaltar que suas escolhas levaram o Coritiba ao acesso à série A, justificando, por exemplo, as cobranças da torcida e alguns pedidos de saída dele do comando alviverde. “Não tem uma outra forma, a gente tem que continuar trabalhando, acreditando, o meu trabalho levou essa equipe à primeira divisão, junto com os jogadores. Mas acredito muito no meu potencial, na minha comissão técnica que nós temos aqui e o elenco que nós formamos”, exaltou.

“Tenho certeza que poderia ser melhor, era o que eu esperava, tenho trabalhado para isso. Quero só lembrar o torcedor de que eu cheguei aqui no ano passado com 15 jogos e consegui alcançar o objetivo. Não existe mágica, eu sou treinador, sou um profissional de extrema competência, trabalho muito e amo o que eu faço, mas nem sempre as coisas vão sair da forma como a gente pensa”, concluiu.