Fernando Prass recebe troféu do presidente Giovani Gionédis de goleiro menos vazado no Paranaense de 2003. (Site oficial do Fernando Prass)

O goleiro Fernando Prass, atualmente no Ceará, teve uma passagem vitoriosa pelo Coritiba entre 2002 e 2005. No período, ele conquistou os títulos do Campeonato Paranaense de 2003 e 2004 e fez parte da campanha que levou o Coxa para a Libertadores de 2004.

Em entrevista à Banda B, Prass lembrou da campanha no Campeonato Brasileiro de 2003 e revelou que os jogadores daquele elenco conversam até hoje. “Se não me engano, a gente chegou a liderar o Campeonato Brasileiro. Nosso time era muito forte e tinha um grande grupo também. Tanto é que o grupo daquele ano de 2003, 2004 até hoje se reúne, tem grupo de Whatsapp e a gente até fez videochamada com mais de 20 pessoas. São recordações boas, fomos bicampeões do estadual e foi um período muito bom”, disse.

Com a quinta colocação no Brasileirão, o Coritiba garantiu a vaga na Libertadores de 2004. Porém, a campanha foi abaixo do esperado. O Coxa ficou atrás de Sporting Cristal e Rosário Cristal no Grupo 9 e foi eliminado ainda na primeira fase.

Para o goleiro, o clube errou no planejamento ao não manter alguns jogadores. “Houve uma falha no planejamento. Um time que liderou o Brasileiro, ficou atrás só daquele time do Cruzeiro que ganhou a tríplice coroa, do Santos que era o atual campeão e do São Paulo que foi tricampeão nos anos seguintes. Depois de uma campanha muito boa, o normal é manter a base, valorizar os jogadores que fizeram uma campanha cima da média e trazer algumas peças para fortalecer que seriam o Tuta, Aristizábal e o Luis Mário. Só que teve um desmanche muito grande, o Ceará [lateral-direito] foi embora, entre outros”, comentou.

“Nós estreamos na Libertadores com um time remendado, o Adriano jogou na lateral-direita, o Miranda fez a estreia dele no Coritiba junto com o Esmerode, zagueiro que tinha chegado há pouquíssimo tempo. Tuta e Aristizábal não puderam estrear também. O mal início nos custou a classificação. Nós precisávamos ganhar na última rodada, ganhamos, mas o resultado do outro jogo não nos ajudou”, acrescentou.

Carreira longeva no futebol

Aos 41 anos, Fernando Prass é titular do Ceará e ainda não faz planos de encerrar a carreira. “Eu não coloco metas e vou jogar até o dia que me senti bem. Quando eu ver que a minha parte física e mental não estão mais respondendo bem, meu corpo não acompanhar a cabeça, vou parar. Uma das coisas que me mantém no futebol é óbvio que a condição física, mas também a motivação”, declarou.