Vilson Ribeiro de Andrade se colocou à disposição para ajudar na política do clube (Divulgação/Coritiba)

Um dos pilares para por fim à crise política do Coritiba e arquivar o pedido de impeachment de Samir Namur, o ex-presidente Vilson Ribeiro de Andrade pediu união entre oposição e situação, e se colocou à disposição para ajudar no processo de reconstrução do Coritiba. O ex-mandatário participou da reunião da última segunda-feira (26) do Conselho Deliberativo e auxiliou na decisão dos conselheiros em encerrar o processo.

“Eu falei com a minha consciência. O presidente Samir [Namur] sabe que cometeu muitos erros no planejamento deste ano, mas a desunião e uma situação de impeachment seria desastrosa para a instituição. Alertei sobre as dificuldades que enfrentei e só superamos porque o clube estava unido. Qualquer instituição, se ela não estiver unida, não há como gerir a organização. Ele foi eleito democraticamente e não cometeu nenhum equívoco que manchasse seu nome. Eu apelei aos conselheiros que analisassem pelo ponto de vista do clube. É a única forma de sairmos dessa situação”, afirmou o ex-presidente em entrevista à Banda B.

Com relação à necessidade de revisar o Estatuto, Vilson vê a reforma estatutária como uma necessidade para melhorar a gestão do Coritiba. “Não sou contra mais de duas chapas. O que não pode acontecer é uma eleição que o presidente se eleja com 30%, com pelo menos 60% sendo contrários a ele. Acho que tem que ter segundo turno. O Conselho Administrativo tem que ser um grupo de administração, com CEO’s”, disse.

A respeito de um provável convite para assumir cargo estratégico no clube, Vilson Ribeiro de Andrade confirmou a proposta de Samir Namur, mas apenas se dispôs a auxiliar no planejamento com orientações e com o bom relacionamento que mantém com dirigentes.

“O presidente fez o convite, mas ele sabe que por razões pessoais eu não tenho condição de assumir nenhuma função. Apenas coloquei à disposição para ajudá-lo no planejamento. Posso ajudá-lo com pessoas também. Tenho uma relação muito boa com profissionais, conheço praticamente todos os presidentes, alguns treinadores que passaram pelo Coritiba também são meus amigos. No planejamento, sempre que precisar, ajudo na orientação”, concluiu Vilson.