Rodrigo Pastana confirmou a permanência do técnico Eduardo Barroca. (Geraldo Bubniak/AGB)

O diretor de futebol do Coritiba, Rodrigo Pastana, garantiu a permanência do técnico Eduardo Barroca, após a sequência de quatro derrotas nas finais do Campeonato Paranaense para o Athletico e nas duas primeiras rodadas do Brasileirão contra Internacional e Bahia.

Pastana afirmou que troca de treinador não é a solução para os problemas e admitiu que esperava pontuar no início da Série A. “A troca no comando técnico não é vista como uma solução hoje. Sobre o momento, é claro que é ruim, esperávamos pontuar nos dois jogos e não acredito que as quatro derrotas como um fato consequente. A final do Paranaense foi ruim pela perda para o rival nos últimos minutos, mas o grupo mostrou uma evolução”, declarou.

“Muitos jogadores saíram lesionados por darem 110% da sua capacidade e até perdemos atletas importantes que vinham treinado na equipe titular durante a pré-temporada. Barroca teve que alterar o sistema já no segundo tempo da última partida, mas a gente não considera que a solução seja a troca de comando neste momento. Temos outras soluções que podem vir a ser novas contratações, uma avaliação melhor do elenco e conversas com o elenco. Neste momento, não se cogita a troca de treinador”, acrescentou o dirigente.

Apesar de uma das soluções ser a contratação de jogadores, Pastana ressaltou que o clube não tem orçamento para contratar. “A gente não tem orçamento disponível para buscar jogadores no mercado. A gente está tentando captar receita para que tenha receita disponível. Há um bom orçamento, mas limitado para cumprir com os compromissos até o final do Campeonato Brasileiro”, disse.

Outra solução é suprir a carência do time titular no próprio elenco. Em relação ao “camisa 10”, o dirigente destacou os nomes que já estão à disposição de Eduardo Barroca. “Temos o Giovanni, o Giovanni Augusto se recuperando, e o Yan Sasse estreou na partida contra o Bahia. A gente ainda tem o Gabriel e o Thiago Lopes que podem jogar por dentro. Eu sei que a torcida pensa muito em nomes e o Fluminense tem um nome que agradava há alguns anos, mas talvez seja um desconforto para o treinador. Ele tem o nome, mas não consegue performar. É isso que não quero trazer para o Barroca, um desconforto maior do que os resultados que já não são bons. Infelizmente, alguns atletas que ele considera fundamental, perdeu um pouco antes do Brasileiro ou durante o Paranaense. Isso significa muito quando tem um orçamento limitado”, comentou.

Já sobre Sassá, que foi uma das principais contratações da temporada, Pastana espera que o atacante atinja as expectativas colocadas nele. “Nenhum jogador é contratado para ser titular. Ele precisa performar e convencer o treinador que pode estar entre os 11. Isso vem acontecendo com o Sassá e ele já teve duas oportunidades nas últimas partidas. A gente espera que venha honrar o investimento feito nele. A expectativa era muito grande, mas, infelizmente, não conseguiu performar de acordo com a expectativa do torcedor”, falou.