Samir Namur segue na presidência do Coritiba após arquivamento de processo (Geraldo Bubniak/AGB)

Com a decisão do Conselho Deliberativo de acatar pedido da Comissão Legislativa em arquivar o pedido de impeachment, o presidente Samir Namur afirmou que terá mais tranquilidade para planejar a próxima temporada. Após a votação dos conselheiros, que decidiram por 81 votos a 66 pelo fim do processo, o mandatário alviverde discursou a favor do diálogo com opositores e já projeta os desafios para o ano que vem.

“Eu fiz o uso da palavra antes da votação e defendi uma linha de diálogo e união entre todas as alas, dentro de fora do conselho, como único caminho viável para 2019. É claro que a decisão de acolher o parecer da Comissão Legislativa e arquivar o pedido da Assembleia, me dá mais tranquilidade para focar no que é mais importante, que é o planejamento do futebol do Coritiba para o ano que vem”, afirmou o presidente em entrevista à Banda B.

Com a reunião realizada nesta segunda-feira (26), convocada pelo presidente do Conselho Deliberativo, Marcelo Licheski, a Comissão Legislativa enviou o pedido de arquivamento, que foi aclamado pela maioria dos conselheiros em votação.

“A mesa não se posicionou em relação específica ao resultado. Nós demos um parecer de deliberação designando a data da Assembleia. Porém, neste meio tempo, pedimos para a comissão legislativa se manifestar. Abrimos um debate dos artigos do Estatuto. Como o regimento interno diz que todo parecer tem que ser levado para votação, assim foi feito. Todos os conselheiros se manifestaram e a maioria entendeu pelo arquivamento, até para que não se abra precedente”, comentou Licheski.

Como a solicitação de destituição de Samir tinha respaldo no Estatuto do Clube, que previa a convocação de Assembleia Geral com soberania sobre os conselhos administrativos e gestor, sem nenhuma prática ilegal cometida pela gestão atual, o presidente do Deliberativo prevê a necessidade da criação de um novo regimento. “A revisão estatutária é fundamental, pois não podemos ficar a mercê de discussão se aplica o Código Civil. Nós já temos uma comissão, o Estatuto já está sendo revisado e pretendemos até março de 2019 apresentar um novo para abrir à discussões, ementas e definir até as eleições de 2020”, finalizou.