(Reprodução/Coritiba)

O Coritiba, representado pelo presidente Samir Namur, pelo diretor de futebol Rodrigo Pastana, pelo infectologista Jaime Rocha e pelo médico Milton Nagai, se reuniu com o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, para apresentar um protocolo para o retorno aos treinamentos.

Em entrevista à Banda B, o médico Milton Nagai destacou que o protocolo inicialmente é apenas para a volta aos treinamentos. “Esse protocolo visa inicialmente a liberação para os treinos, já que os atletas estão há 60 dias sem atividade física regular. Agora estão fazendo em casa, são atletas de alto rendimento e necessitam de uma atividade física mais elaborada e visando futuramente o retorno aos jogos”, declarou.

“É um protocolo complexo, nós primeiramente temos que fazer os treinos individuais. Na sequência, faríamos os treinos em grupos pequenos. Os treinos seriam com horário marcado, distanciado um atleta de outro e chegariam ao CT uniformizado. Eles passarão por uma avaliação e se tiver algum sintoma, febre ou algo suspeito, voltará imediatamente para casa e será avaliado de acordo com o protocolo médico. Se tiver sem febre, vai passar por avaliação médica para saber se vai ser liberado ou não”, acrescentou o médico.

Nagai ainda destacou que a resposta da Secretaria de Saúde deve sair na próxima semana. “O secretário de Saúde Beto Preto foi receptivo conosco, mas dependemos de uma aprovação dos órgãos oficiais e que provavelmente será dada na semana que vem. O Coritiba só voltará aos treinos após a aprovação dos órgãos e a chancela da CBF”, disse.

Confira abaixo os principais trechos do protocolo do Coritiba

Testes específicos para a Covid-19

A realização de testagem regular em atletas, comissão técnica e funcionários do clube dependerá de fatores de contingência em relação a aquisição de kits para os testes COVID-19 e definições científicas adequadas. Atualmente é de conhecimento de todos que o sistema de saúde no Brasil, e de quase todos os países do mundo, possui dificuldade para suprir a demanda de testes, tanto no âmbito público como no privado. Além disso, somam-se incertezas em relação a validade e usabilidade de alguns testes apresentados no mercado mundial.

Dessa forma, acredita-se que a prioridade da realização dos testes para a COVID-19 na atual conjuntura deve ser direcionada à profissionais de saúde e pessoas sintomáticas, sobretudo aos que fazem parte dos grupos de risco. Uma vez que exista a possibilidade de testagem, estas irão ocorrer de acordo com as três fases de desenvolvimento dos trabalhos e que terão seu cronograma definido em parceria com os órgãos competentes e sociedades científicas.

Fase 1

Princípio: Deve haver uma redução sustentada e relevante na taxa de novos casos de COVID-19 na área geográfica de Base Populacional, por pelo menos 14 dias. Na região deve existir um número apropriado de unidades de terapia intensiva (UTI) e leitos que não sejam de UTI, equipamentos de proteção individual (EPI), ventiladores e equipe treinada para tratar todos os pacientes, os ainda decorrentes da Crise Sanitária e a demanda reprimida.

Considerações: As diferentes equipes de futebol devem avaliar antes de retomar estas atividades físicas eletivas:

  • Momento da retomada: deve haver uma redução sustentada na taxa de novos casos de COVID-19 na área geográfica de abrangência de pelo menos 14 dias, antes da retomada da atividade física eletiva.
    – Talvez um dos melhores indicadores é o R0 da doença estar em 1 ou menos e ter capacidade de diagnóstico rápido dos casos sintomáticos e rastreamento/isolamento dos contatos.(3–5)
  • Qualquer retomada deve ser autorizada pelas autoridades municipais e estaduais de saúde. Conforme a evolução, as autoridades sanitárias nacionais também devem ser acionadas
  • As equipes devem ser capazes de tratar com segurança todos os atletas e pessoas envolvidas que necessitarem  eventualmente de cuidados médicos ou de hospitalização, decorrentes ou não da Pandemia de COVID-19.
    – A taxa de ocupação da UTI e das alas deve ser bem conhecida e estar dentro de taxas aceitáveis
  • A instituição deve possuir funcionários em número suficiente, devidamente treinados e instruídos.

Fase 2

Princípio: Nas regiões geográficas em que se proponha a retomada de atividades devem existir testes disponíveis para proteger a segurança da equipe e do atleta, considerando os requisitos de qualidade e frequência destes exames.

Considerações: As estratégias de testagem para a COVID-19 devem levar em consideração:

  • Disponibilidade, validação comprovada e tempo de resposta para os testes.
  • Frequência e tempo dos testes dos pacientes (todos/seletivos).
    – A testagem do paciente deve fornecer informações pré-atividades úteis sobre o status COVID-19 de
    pacientes cirúrgicos, particularmente em áreas de transmissão residual da comunidade.
  • Considerações sobre RT-PCR e Sorologias.

Testagem na fase 1: fase de readaptação (treinos individuais)

Todos os atletas, membros da comissão técnica e funcionários do Centro de Treinamento passarão por avaliação clínica diária, presencial ou por teleatendimento, para verificação de sintomas de gripe tais como febre, coriza, dor de garganta, dor no corpo, entre outros.

Serão questionados também sobre eventuais contatos com doentes, principalmente os domiciliares. Os indivíduos que se apresentarem sintomáticos serão orientados a não comparecer ou a retornar as suas residências para iniciar protocolo de isolamento e aguardar orientações do Departamento Médico para realização de eventual teste para COVID-19.

Em caso de positivo, o indivíduo permanecerá em isolamento até segunda ordem, no caso de negativo retornará aos treinamentos, se houver condições clínicas favoráveis.

Testagem na fase 2: fase de retorno aos treinamentos (treinos em pequenos grupos)

Esta fase é caracterizada pela transição de treinamentos individuais para treinamentos em grupo. Nesse sentido, os principais protocolos de retorno a atividade no futebol a nível mundial preconizam que todos os atletas, integrantes da comissão técnica e funcionários do Centro de Treinamento sejam submetidos aos testes para COVID-19. O argumento é que os resultados podem ser utilizados para a definição de grupos de atletas a trabalharem juntos, como por exemplo grupo de atletas que já possuem imunidade a doença e atletas que ainda não possuem imunidade. O mesmo vale para os membros da comissão técnica e funcionários.

Vale ressaltar que este conceito ainda não possui validação científica e deve ser mantido como estratégia futura, conforme mais dados da doença surjam na literatura médica. Por enquanto, não se deve considerar como imunes pacientes que já tiveram doença suspeita ou confirmada.

O teste preconizado para este momento será o RT-PCR, a partir disso devem ser seguidas as seguintes diretrizes:

  • Casos positivos deverão realizar novos testes de RT-PCR para documentação da não excreção viral a fim de liberação para os treinos.
  • Testes regulares de IgM/IgG para analisar a imunidade são um tema ainda muito polêmico e podem ser rediscutidos no futuro conforme surjam testes com validações adequadas e mais dados na literatura.
  • Os casos positivos e passado o tempo de contágio, estarão aptos ao retorno esportivo (grupo imune) e não necessitarão testes regulares, exceto em caso de novo episódio de sintomas.

Orientações quanto a utilização dos espaços e cuidados quanto a higiene

Todos os funcionários e membros da comissão técnica receberão treinamento e deverão utilizar máscara. As máscaras serão preferencialmente cirúrgicas mas podem ser de tecido. Além dos seguintes cuidados:

  • Higienizar as mãos antes e depois para retirada das máscaras com técnica apropriada que será treinada com todos e monitorada frequentemente.
  • Posicionar a máscara pelos elásticos.
  • Não tocar a máscara em região de cobertura nariz/boca.
  • Descartar as máscaras e luvas em lixo próprio/infectante.

Áreas comuns (Áreas administrativas/departamento de futebol/assistência social/nutrição)

  • Área bem arejada com portas e janelas abertas.
  • Atendimento de uma pessoa por vez.
  • Higienização obrigatória das mãos com álcool gel ao entrar no local.
  • Manter distância mínima de 2 metros entre as pessoas.
  • É recomendável evitar qualquer tipo de contato, assim como cumprimentos e abraços.

Orientações gerais

  • Atletas, membros da comissão técnica e funcionários, não poderão acessar as instalações do Centro de Treinamento ao apresentar qualquer sintoma de gripe, tais como: febre, coriza, dor de garganta, dor no corpo, entre outros. Sendo assim, será orientado a permanecer em casa e posterior realização de testagem com RT-PCR. Caso positivo permanecerá em isolamento até segunda ordem do Departamento Médico, que poderá adotar uma das técnicas descritas neste documento, preferencialmente com testagem.
  • Os treinamentos serão realizados em ambientes arejados e dê preferência ao ar livre, respeitando o distanciamento adequado.
  • Todos os profissionais de saúde do clube estarão utilizando material de proteção, como máscara e luvas de procedimento.
  • Os atendimentos de Fisioterapia serão realizados apenas em casos de real necessidade, preconizando a segurança por meio de distanciamento adequado, ambiente arejado e higienizado.
  • É altamente recomendável evitar qualquer tipo de contato, assim como cumprimentos e abraços.
  • Conversas e/ou orientações deverão respeitar a distância de 2 metros entre uma pessoa e outra.
  • Antes, durante a pós os treinos a equipe de limpeza, devidamente equipada com luvas e máscaras, deverá realizar a limpeza e desinfecção com álcool 70 de todo o equipamento e ambiente utilizado.
  • Cada atleta receberá um kit completo de materiais no primeiro dia da reapresentação, com exceção apenas das chuteiras, pois estas permanecerão no Centro de Treinamento
  • – O kit será composto por: 4 jogos completos de uniformes (camisetas, shorts, meias, calças, blusas, agasalhos, coletes GPS); 1 jogo de equipamentos para exercício (1 par de mini band, um colchonete, 1 rolo de liberação); álcool gel para uso individual; máscara de tecido para uso em todos ambientes públicos
  • Cada atleta é responsável pela higienização e lavagem do seu material de treino e comparecimento no clube com os mesmos devidamente limpos.
  • Todos os atletas devem se apresentar no Centro de Treinamento devidamente uniformizados.

Orientação na chegada ao CT/antes do treino

  • Deslocar-se diretamente de casa para o Centro de Treinamento já com o uniforme de treino e evitando caronas.
  • Parar o carro em local específico (drive thru) e aguardar profissional para questionário sobre sintomas de gripe e medida da temperatura corporal.
  • Caso apresente sintomas de gripe ou febre, retornar para casa e aguardar contato do Departamento Médico para realização de testagem com RT-PCR. Caso positivo permanecer em isolamento até segunda ordem.
  • Caso não possua sintomas e febre estacionar o carro e dirigir-se ao Departamento Médico temporário COVID 19 (sala de imprensa) para avaliação pré-treino.
  • Na entrada do Departamento médico, lavar com água, sabão e higienizar as mãos com álcool gel.
  • Dirigir-se ao médico para exame clínico.
  • Sendo liberado, dirigir-se ao Fisiologista (sala de imprensa) para avaliação e acesso ao GPS.
  • É altamente recomendável evitar qualquer tipo de contato, assim como cumprimentos e abraços.
  • Conversas e/ou orientações deverão respeitar a distância de 2 metros entre uma pessoa e outra.
  • Todos os profissionais de saúde do clube estarão utilizando material de proteção, como máscara e luvas de procedimento.
  • Antes de todos os treinos a equipe de limpeza, devidamente equipada com luvas e máscaras, deverá realizar a limpeza e desinfecção com álcool 70 de todo o equipamento e ambiente utilizado.

Orientações durante o treino

  • Sendo liberado pelo Departamento médico e depois de se apresentar na Fisiologia, o atleta deverá comparecer ao campo para treinamento.
  • Os treinamentos serão realizados em ambientes arejados e dê preferência ao ar livre, respeitando o distanciamento adequado.
  • Os atletas serão responsáveis pela gestão de sua hidratação.
    – Cada atleta deverá retirar sua própria garrafa de água ou Gatorade e imediatamente escrever seu nome ou número de camisa para melhor identificação de todos.
    – Está proibido o compartilhamento de copos de água, Gatorade ou similares.
    – Ao descartar o copo ou garrafa, jogar diretamente no lixo mais próximo.
  • Durante os exercícios realizados no treinamento, deve ser mantida a conduta do não contato entre profissionais e atletas ou entre qualquer participante do treinamento.
  • Conversas e/ou orientações deverão respeitar a distância de 2 metros entre uma pessoa e outra.
  • Os atletas serão subdivididos em grupos de 4 a cada 30 minutos, respeitando o fluxograma das atividades programadas desde o momento da chegada até sua saída do Centro de Treinamento.
  • Higienizar as mãos com álcool gel após cada estação de trabalho.
  • Durante todo treinamento a equipe de limpeza, devidamente equipada com luvas e máscaras, deverá realizar a limpeza e desinfecção com álcool 70 de todo o equipamento e ambiente utilizado.
  • Manter comportamento adequado fora do Centro de Treinamento.
  • Seguir as regras de isolamento se vir a ficar doente.

Orientações após o treino

  • Os equipamentos individuais devem ser higienizados com álcool 70 e guardados na porta mala do carro.
    – O GPS deve ser entregue a equipe de trabalho.
  • Os atletas deverão limpar suas respectivas chuteiras e guarda-las conforme orientação da rouparia.
  • É altamente recomendável evitar qualquer tipo de contato, assim como cumprimentos e abraços.
  • Conversas e/ou orientações deverão respeitar a distância de 2 metros entre uma pessoa e outra.
  • Estão proibidas a realização de banheira de crioterapia, piscina, massagem e/ou terapias manuais como processo de regenerativo.
  • Lavar com água, sabão e higienizar as mãos com álcool gel na saída do Centro de Treinamento.
  • Cada atleta deve higienizar o seu automóvel com álcool 70.
    – Passar álcool 70 nos locais utilizados para dirigir.
    – Aconselhado que seja colocado um saco de lixo revestindo o banco, sendo descartado quando chegar em casa.
  • Deslocar-se diretamente do Centro de Treinamento para casa, evitando caronas.
  • Cada atleta é responsável em levar para casa e lavar seu material de treino diariamente, evitando assim qualquer risco de proliferação e contaminação.
    – Retirar o calçado ainda fora da sua residência e guardar em local arejado, longe do contato de outras pessoas.
    – Lavar a roupa imediatamente sem misturar com as roupas de familiares ou outros.
  • Após todos os treinamentos a equipe de limpeza, devidamente equipada com luvas e máscaras, deverá realizar a limpeza e desinfecção com álcool 70 de todo o equipamento e ambiente utilizado.