O CEO do Coritiba, Carlos Amodeo, negou que a SAF do clube esteja em busca de sócios no mercado. Segundo o dirigente, o compromisso da Treecorp à frente do Coxa segue o mesmo e não há nenhuma intenção em transferir parte de suas responsabilidades. No início do mês, o repórter David Heller, da Bloomberg – agência de notícias especializada em economia e negócios, afirmou que a empresa estava atrás de parceiros no mercado internacional. 

A notícia repercutiu de maneira negativa em grande parte da torcida do Coritiba. Afinal, a Treecorp comprou 90% da SAF Alviverde há menos de um ano e está no início do seu processo de investimentos. A empresa se comprometeu a investir um aporte de R$ 1,1 bilhão nos próximos dez anos, sendo R$ 100 milhões destinados à construção de um novo CT, R$ 500 milhões para a reforma do Couto Pereira, e outros R$ 450 milhões focados no futebol coxa-branca.

Quero passar uma tranquilidade muito importante para o torcedor de que não existe nenhum movimento da Treecorp, seja para vender uma parte de sua participação, seja para vender toda a sua participação, seja para capturar um sócio nesse momento. Estamos no início do nosso projeto, e a Treecorp tem todos os recursos disponíveis para aplicar no Coritiba, conforme o contrato que celebrou com a Associação, dispondo de 100% dos recursos para futebol e aspectos de infraestrutura”, afirmou Amodeo, em entrevista ao GE Paraná.

Coritiba pode se tornar rede?

Única empresa brasileira dona de SAF entre os participantes das séries A e B do Brasileirão, a Treecorp pode buscar incluir o Coritiba em uma rede de clubes – o que nega Amodeo, a princípio. Bahia, Botafogo, Cruzeiro e Vasco já estão dentro desta realidade, que vai mudando a cara do futebol europeu. Nos últimos cinco anos, segundo estudo da UEFA destrinchado pelo jornalista Irlan Simões122 clubes do continente foram vendidos para grandes grupos que administram equipes em diversos países. E mais 67 tiveram vendas de partes minoritárias.

A busca por parceiros também poderia estar ligada à queda para a Série B, que impacta diretamente no faturamento que a SAF projeta para o Coritiba em 2024. Porém, como Amodeo colocou, o entendimento é de que a Treecorp dispõe da quantia totalitária que prometeu investir no Alviverde, sem mudanças no cenário. Pelo menos, é a forma como os dirigentes se posicionam para os torcedores e para a imprensa.

Carlos Amodeo, CEO do Coritiba.
Carlos Amodeo negou procura por parceiros. Foto: Gabriel Thá/CFC

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Carlos Amodeo nega busca por sócios para a SAF do Coritiba

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.