Durante a paralisação do futebol brasileiro devido à pandemia do novo coronavírus, a Banda B realiza diversas enquetes sobre Athletico, Coritiba e Paraná. No programa Balanço Esportivo, os integrantes da equipe de esportes escolheram as cinco piores contratações da história do Coritiba.

Dion – meia

Dion. (Reprodução/Facebook)

Uma das histórias mais bizarras do futebol paranaense. O meia Dion apareceu no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF e estava visivelmente fora de forma. Na ocasião, a diretoria do Coritiba explicou que era uma parceria técnica com o futebol chinês. O jogador nunca entrou em campo pelo Coxa e processou o clube na Justiça do Trabalho.

Baumjohann – meia

Baumjohann estreou pelo Coritiba. (Divulgação/Coritiba)

Alexander Baumjohann chegou ao Coritiba em 2017 após passagens por Bayern de Munique, Schalke 04, Borussia M’Gladbach, Bayern, Kaiserslautern e Hertha Berlin. Ele estreou após três meses e jogou apenas duas partidas com a camisa coxa-branca. Em 2019, o jogador acionou o Alviverde na Justiça do Trabalho.

Ruidíaz – atacante

Ruidíaz. (Geraldo Bubniak/AGB)

O atacante Raul Ruidíaz teve uma passagem muito apagada pelo Coritiba em 2012. Contratado em agosto, ele jogou apenas 12 partidas, sendo apenas uma como titular, e não marcou nenhum gol. O peruano ficou conhecido por ter marcado um gol de mão que eliminou o Brasil na Copa América de 2016.

Alecsandro – atacante

Alecsandro (Geraldo Bubniak/AGB)

O experiente atacante Alecsandro foi contratado em 2017 pelo Coritiba e ficou marcado como um dos símbolos da campanha do rebaixamento na Série A do mesmo ano. Ele continuou no clube para a Série B de 2018 e chegou a ser afastado do elenco principal por um mês. No retorno, o jogador marcou quatro gols, sendo três deles em jogos que já não valiam mais nada para o Coxa.

Esmerode – zagueiro

O zagueiro Antonio Esmerode foi contratado para liderar o sistema defensivo do Coritiba na Libertadores de 2004. Na única partida que fez com a camisa coxa-branca, o uruguaio falhou em dois gols na derrota por 4 a 1 para o Sporting Cristal, do Peru. O contrato foi rescindido seis meses depois.

Confira todos os votos*

FELIPE DALKE – SETORISTA DO CORITIBA

Baumjohann, meia – Veio com cartaz. Jogador sensacional nas categorias base, passagem por Bayern de Munique. Jogou apenas uma vez bem, mas depois não jogou absolutamente nada.

Ruidíaz, atacante – Jogou muito bem na seleção peruana, mas não jogou absolutamente nada no Coxa.

Carlos Eduardo, meia – Eu até hoje tento entender a contratação dele. Não estava nada bem no Paraná e saiu de lá dizendo que ia encerrar a carreira. Jogou pouco no Coritiba e se machucou.

Alecsandro, atacante – Foi por diversas vezes sondado pelo Coritiba. Sofreu estigma pelo que foi o pai dele e não jogou nada. Não conseguiu aproveitar a oportunidade e ficou boa parte da passagem no banco de reservas.

Renaldo, atacante – Chegou no Coritiba em 2006 depois de um grande campeonato pelo Paraná. Não conseguiu ser o mesmo jogador e foi uma grande decepção. Chegou para ser um jogador de peso no elenco do Coritiba.

LUIZ FERRAZ – REPÓRTER

Ruidíaz, atacante – Foi um jogador que chegou com bastante cartaz e foi muito mal.

Baumjohann, meia – Teve poucos jogos bons, mas não conseguiu se firmar.

Alecsandro, atacante – Representa bem o time do rebaixamento. No outro ano, ele chorou na apresentação, mas acho que era peso na consciência pelo péssimo futebol que apresentou.

Edinho, volante – Volante burucutu e jogador muito fraco tecnicamente. Não agregou em nada.

Felipe Mattioni, lateral-direito – Chegou com cartaz por ter jogado no Milan e sequer jogou 10 partidas.

MONIQUE VILELA – REPÓRTER

Baumjohann, meia – Um dos jogadores que mais decepcionou a torcida.

Ruidiaz, atacante – Não sabemos a que veio no Coritiba.

Fábio Braga, volante – Filho do Abel Braga e jogou pouquíssimos jogos pelo Coritiba.

Jorge Ortega, atacante – Esteve presente no Couto Pereira apenas.

Iberbia, lateral – Esteve apenas de passagem no Coritiba.

BRUNO ABDALA – REPÓRTER

Guilherme Macuglia, técnico – Passou pelo Coritiba em 2007, vinha de bons trabalhos no Criciúma e no Joinville e não deu certo. Durou seis meses no comando do Coritiba.

Esmerode, zagueiro – Chegou em 2004 para ser o ‘xerifão’ do Coritiba na Libertadores. Sob o comando de Antônio Lopes, o zagueiro estreou contra o Sporting Cristal, lá em Lima, e o Coritiba perdeu esse jogo por 4 a 1. O Esmerode foi o pior em campo naquela partida.

Escudero, zagueiro – Passou pelo Corinthians e jogou no Coritiba entre 2012 e 2013. Teve falhas marcantes em clássicos Athletiba.

Renaldo, atacante – Foi uma das piores contratações da história do Coritiba. Fez poucos gols com a camisa alviverde.

Dion, meia – Não teve nenhuma oportunidade e chegou muito acima do peso. Ele, inclusive, processou o Coritiba na Justiça do Trabalho.

PEDRO MELO – REPÓRTER

Anderson, meia – Um dos símbolos da campanha do rebaixamento no Campeonato Brasileiro de 2017. Tinha um dos maiores salários naquele ano e não correspondeu a expectativa. Jogou 23 partidas e marcou três gols.

Dion, meia – Uma das histórias mais bizarras do futebol. Ele apareceu no BID e a foto mostrou que estava fora de forma. Depois de quatro meses e sem entrar em campo, o contrato foi rompido.

Baumjohann, meia – Foi contratado pelo Coritiba em 2017 e chegou com uma grande expectativa por ter passado por diversos times da Alemanha. Jogou apenas 76 minutos no Coxa.

Thiago Coimbra, meia – Filho de Zico, o meia chegou ao Coxa em 2005, mas ficou apenas quatro meses. Passagem muito apagada pelo Alto da Glória.

Ruidíaz, atacante – O peruano foi contratado pelo Coritiba em 2012 e jogou apenas 12 partidas. Deixou o clube sem marcar nenhum gol.

GREYSON ASSUNÇÃO – COORDENADOR DE ESPORTES

Iberbia, lateral – Veio com expectativa alta em 2013 e não deu certo.

Jefferson, atacante – Jogou lixeira na cabeça do torcedor em 2006 e saiu jurado pela torcida do Coxa. Foi uma tragédia no geral e a briga no aeroporto marcou.

Esmerode, zagueiro – Uruguaio que chegou para a disputa da Libertadores de 2004. Outro que foi uma tragédia.

Tico Mineiro, atacante – Contratou o jogador errado. Paulo Bonamigo pediu um Tico Mineiro que tinha jogado com ele e a diretoria trouxe outro.

Dion, meia – Pior contratação disparada da história do futebol paranaense.

* Os atacantes Renaldo, Alecsandro e o zagueiro Esmerode empataram com dois votos. O voto de desempate foi do narrador Marcelo Ortiz.