A Banda B segue com a série de debates para escolher os melhores da história de Athletico, Coritiba e Paraná. Durante a semana no programa Balanço Esportivo, os integrantes da equipe de esportes escolheram as cinco melhores revelações da história do Coritiba.

Alex – meia

Alex apareceu em todas as listas como a melhor revelação da história do Coritiba. (Geraldo Bubniak/AGB)

Considerado um dos grandes ídolos do Coritiba, o meia Alex foi revelado nas categorias do clube e fez a sua estreia como profissional em 1995. Além disso, o agora comentarista está na história de outros clubes, como o Fenerbahce, da Turquia, Cruzeiro e Palmeiras.

Desejado por diversos clubes no Brasil, Alex retornou da Turquia em 2012 para encerrar a carreira no Coxa. No retorno, ele foi apresentado com uma grande festa no estádio Couto Pereira. A despedida dos gramados aconteceu na vitória coxa-branca por 3 a 2 sobre o Bahia, em dezembro de 2014.

Rafinha – lateral-direito

Rafinha conquistou dois títulos com a camisa do Coritiba. (Divulgação)

Rafinha, titular do Flamengo e com passagens por Bayern de Munique, Schalke 04 e seleção brasileira, foi revelado pelo Coritiba em 2003. Ele conquistou dois títulos do Campeonato Paranaense pelo Coxa antes de ser vendido para o Schalke 04 por cinco milhões de euros.

Uma curiosidade revelada pelo próprio Rafinha é que ele chegou às categorias de base do Coritiba como atacante. “Comecei como atacante. Cheguei na base do Coritiba de atacante, aí o professor que me passou no teste veio falar comigo: ‘Rafinha, quero muito ficar com você aqui no Coritiba, mas se jogar no meio-campo ou de atacante você não vai conseguir ficar aqui. Tem muitos jogadores bons nessas posições. E vejo que você tem qualidade para jogar de lateral’. Eu nunca tinha jogado na lateral, não sabia nem como me posicionar, e ele disse que me ensinaria. Ele colocou isso na minha cabeça e hoje agradeço muito. Peguei gosto pela posição”, lembrou, em entrevista à Fla TV.

Miranda – zagueiro

Miranda falou em 2019 sobre a vontade de retornar para o Coritiba. (Osmar Antônio/Banda B)

O experiente zagueiro Miranda, atualmente no Jiangsu Suning, da China, e com passagens de sucesso por São Paulo e Atlético de Madrid, iniciou a carreira com a camisa do Coritiba em 2004. Ele fez 88 partidas pelo Coxa e marcou seis gols, até ser vendido em julho de 2005 para o Sochaux, da França.

Torcedor declarado do Coxa, Miranda colocou o clube como uma das opções quando retornar ao futebol brasileiro. “A gente sabe que o futebol muda muito dia a dia. O meu pensamento é retornar ao Brasil daqui dois anos e o Coritiba pode ser uma das portas porque sou um torcedor apaixonado pelo clube. Coritiba e São Paulo são os clubes que tenho carinho muito grande”, afirmou, em entrevista em julho do ano passado.

Adriano – lateral-esquerdo

Adriano, atualmente no Athletico, foi revelado pelo Coritiba. (Divulgação/Besiktas)

O lateral-esquerdo Adriano foi lançado como jogador profissional pelo Coxa em 2002. Depois de duas conquistas de Campeonato Paranaense e mais uma disputa de Libertadores, ele foi vendido em janeiro de 2005 para o Sevilla, da Espanha.

Após se destacar por Sevilla, Barcelona e Besiktas, Adriano retornou ao futebol brasileiro justamente para jogar no Athletico, maior rival do Coritiba. “Quando eu estive com o presidente, eu falei que tinha um passado e um carinho muito grande pelo Coritiba, foi o clube que me revelou, mas sou profissional. A minha decisão foi essa, decidi tranquilamente e não vi nenhum problema. Eu saí do Coritiba pela porta da frente e hoje optei por jogar pelo Athletico”, disse, em entrevista após a estreia pelo Furacão em agosto de 2019.

Pachequinho – atacante

Atual técnico do Maringá, Pachequinho é ídolo do Coritiba. (Geraldo Bubniak/AGB)

Pachequinho começou a carreira no Coxa em 1990 e permaneceu no clube em 1996. Foram sete temporadas vestindo a camisa coxa-branca e o atacante se tornou ídolo da torcida.

Depois de encerrar a carreira, Pachequinho virou treinador. Ele assumiu o comando interino do Coxa em três oportunidades e só foi efetivado uma vez. Em 2017, ele conquistou o título do Campeonato Paranaense, ganhou uma chance como técnico, mas foi demitido após uma goleada sofrida para a Ponte Preta por 4 a 0.

Confira os votos

FELIPE DALKE – SETORISTA DO CORITIBA

Alex – meia
Yan Couto – lateral-direito
Rafinha – lateral-direito
Adriano – lateral-esquerdo
Miranda – zagueiro

MONIQUE VILELA – REPÓRTER

Miranda – zagueiro
Keirrison – atacante
Rafinha – lateral-direito
Adriano – lateral-esquerdo
Alex – meia

LUIZ FERRAZ – REPÓRTER

Alex – meia
Miranda – zagueiro
Rafinha – lateral-direito
Pachequinho – atacante
Keirrison – atacante

GIL ROCHA – COMENTARISTA

Miranda – zagueiro
Adriano – lateral-esquerdo
Rafinha – lateral-direito
Dirceu Guimarães – ponta-esquerda
Alex – meia

PEDRO MELO – REPÓRTER

Alex – meia
Rafinha – lateral-direito
Adriano – lateral-esquerdo
Miranda – zagueiro
Henrique – zagueiro

BRUNO ABDALA – REPÓRTER

Pachequinho – atacante
Adriano – lateral-esquerdo
Rafinha – lateral-direito
Miranda – zagueiro
Alex – meia

LUIZ KOZAK – REPÓRTER

Yan Couto – lateral-direito
Rafinha – lateral-direito
Miranda – zagueiro
Adriano – lateral-esquerdo
Alex – meia