Técnico elogia a entrega dos atletas, principalmente quando estava com um jogador a menos. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

O Coritiba somou um ponto diante do Goiás, mas a sensação que a equipe poderia ter conquistado mais um vitória longe de casa existiu. O Verdão chegou a fazer 2 a 0, permitiu a virada, é bem verdade já estava com um jogador a menos, mas o empate nos acréscimos se torna um alento, por todo o contexto da partida.

“Eu fiquei muito feliz com aquilo que eu vi, mas diante de uma expulsão e um pênalti no final do jogo, atrapalhou muito do imaginávamos para o segundo tempo. Jogando 50 minutos com um jogador a menos, é muito cansativo, o clima daqui é muito diferente de Curitiba, pois aqui é extremamente seco. Diante de todo o cenário, é claro que lamentamos muito mesmo, pois poderíamos sair daqui com três pontos, uma vitória com placar elástico, quatro ou cinco talvez, da forma que jogamos no primeiro tempo”, disse otimista, o técnico do Coritiba.

A expulsão do zagueiro Rodolfo Filemon, ainda no primeiro tempo, complicou a situação da equipe, principalmente no setor ofensivo, afinal como o Goiás pressionou o Verdão em boa parte do segundo tempo, Jorginho teve que sacrificar o esquema da equipe, em prol de pensar na defesa. “A expulsão é uma coisa que me incomoda, pois antes de eu chegar aqui, já tiveram duas expulsões e isso é algo que precisamos dar uma atenção em especial, no quesito equilíbrio emocional. Eu chamo muito a atenção de nossos jogadores o quanto eles precisam ser agressivos dentro do jogo, mas serem leais. A reação é fundamental, tem hora que você precisa engolir sapo. O Rodolfo foi infantil, ele não poderia, de forma alguma, ter agido daquela forma, mas ele já pediu desculpa para toda a equipe, sabe que errou e isso não pode acontecer mais”, lamentou Jorginho.

A equipe chegou ao oitavo ponto na competição e o Coritiba pode terminar a rodada na zona de rebaixamento. Na próxima rodada, a equipe enfrenta o Athletico, na Arena da Baixada, neste sábado (13), às 16h30.