Por Pedro Melo com informações de Osmar Antônio

André Macias confirmou os salários em dia no Coritiba. (Divulgação/Coritiba)André Macias confirmou os salários em dia no Coritiba. (Divulgação/Coritiba)

A situação do Coritiba ficou bastante turbulenta fora de campo após o vazamento de várias mensagens de um grupo de whatsapp entre dirigentes, funcionários, conselheiros e alguns torcedores do clube. Em entrevista exclusiva à Banda B, o vice-presidente André Macias confirmou a veracidade de todas as mensagens, mas reconheceu o seu erro.

Macias lamentou o vazamento das mensagens e declarou que não é algo que seja compatível com uma pessoa que exerce o cargo de vice-presidente. “Eu participava do grupo e quero fazer mea culpa, pois isso não condiz com o vice-presidente do Coritiba. É um grupo de amigos que se conhecem dentro do Coritiba e até agora venho recebendo várias mensagens com tom até mentiroso. Eu errei em participar de um grupo desses e o vice-presidente do Coritiba não pode participar de um grupo desses”, disse.

Leia também:
Ricardo Guerra fala sobre conversas vazadas, desmente André Macias e explica saída do Coritiba

“Se fosse funcionário do clube, trataria de trocar”, diz presidente Bacellar sobre André Macias e Pierre Boulos

Segundo informações, o conselho pressiona para a saída de Macias e Pierre Boulos, que também faz parte do G5, mas o dirigente descartou qualquer chance de deixar o Coxa. “Não tem imagem a ser manchada, o processo para desmanchar a minha imagem é muito grande. Nunca passou a possibilidade de renúncia, o Coritiba é a minha segunda casa e luto pelo Coritiba e seus interesses. Sou homem, coxa-branca e vou fazer um Coritiba maior, mas isso não é da noite para o dia”, explicou.

O vice-presidente não ficou calado quando questionado sobre as palavras ditas por Ricardo Guerra, ex-membro do G5, e culpou ele pelo vazamento de algumas informações. “Considero cada um com sua posição. Chegamos no Coritiba com uma campanha de associados e quando entro na sala de imprensa está o Ricardo Guerra com um jornalista para apresentar a nova campanha e foi quando nos sentimos traído já que ele apresentou para a imprensa. Ele tratou o clube como se fosse dele”, comentou.

Situação financeira

Após revelar no início da gestão que o Alviverde estava com muitas dividas, Macias ressaltou que as contas estão todas as dias e ainda revelou que um novo material esportivo deve ser confirmado em breve. “Temos que nos unir pelo Coritiba. Me orgulho do Coritiba e sou obsecado em fazer o Coritiba um dos maiores clubes do país, enquanto, alguns ficam atrás do teclado tentando nos denegrir. Os salários estão em dia, diminuindo a folha salarial e fechamos com um novo material esportivo que é uma surpresa para os torcedores”, destacou.

Dinheiro para Ricardo Gomyde

Um dos assuntos mais polêmicos que gerou muitas reclamações de torcedores é a doação de R$ 200 mil para a campanha de Ricardo Gomyde à presidência da Federação Paranaense de Futebol (FPF), entretanto, o dirigente explicou que o dinheiro voltou para o caixa do clube. “Dinheiro voltou para o caixa do clube. O Coritiba teve o entendimento que era o caminho, mas o presidente não foi eleito e fomos para o caminho mais longo que é a tentativa da Copa Sul-Minas. O dinheiro foi protocolado no conselho, tudo que foi gasto e também retornou para o caixa. Vai vir uma sindicância e se acusarem, vai provar na justiça”, finalizou.