Santos defendeu cobrança do Bahia (Geraldo Bubniak/AGB/Estadão Conteúdo)

Mais uma vez o goleiro Santos teve um papel importante, ao defender a primeira cobrança do Bahia, que mais tarde culminou na classificação do Atlético, nos pênaltis, para a semifinal da Copa Sul-Americana. Depois de intervir na batida de um ex-companheiro de equipe, o arqueiro atleticano minimizou vantagem no conhecimento do adversário e creditou a defesa ao trabalho psicológico.

“O Vinícius é um cara que eu conheço, trabalhamos juntos aqui. Mas quando chega em uma situação como essa, é mais mental do que o conhecimento. Ele tem o gol inteiro para fazer. Não adianta falar que conheço ele, que vai bater em um canto, e ele cobrar em outro. Eu vejo isso como um jogo mental e fui muito feliz em defender o pênalti dele”, afirmou o goleiro em entrevista coletiva.

Santos destacou a importância de se manter frio na cobrança, algo que é passado na preparação dos goleiros antes de um jogo decisivo. “A penalidade é uma situação que é treinada também. O pessoal do apoio nos apresentam vídeos, situações que nos dão tranquilidade para estarmos bem preparados em um momento como esse”, disse. “Tem que manter o foco sempre. É uma oportunidade de fazer o seu time passar, tem que estar bem concentrado. Avalio os batedores e procuro me manter o mais frio possível, sem demonstrar ansiedade. Assim como avaliamos os jogadores, eles também nos avaliam. A frieza num momento como esse é muito importante”, acrescentou.

Classificado para as semifinais da Sul-Americana, o Atlético encara o Fluminense na próxima fase. O primeiro jogo acontece na próxima quarta-feira (08), na Arena da Baixada, enquanto o duelo de volta será no dia 28, no Rio de Janeiro.

Assista à entrevista coletiva do goleiro Santos:

Coletiva Arena

Posted by Esporte Banda B on Wednesday, October 31, 2018