Por João Pedro Alves

Se já estava difícil se firmar no setor de contenção do time do Atlético devido à concorrência, isso está um pouco mais difícil depois desta quarta-feira (4). O motivo é o retorno do volante Deivid aos gramados após três meses entregue ao departamento médico. Titular até se lesionar, o prata da casa é mais uma “dor de cabeça” boa para o técnico Vagner Mancini escalar a equipe rubro-negra.

Deivid está de volta e é mais uma opção para o meio defensivo (Foto: Divulgação/Atlético)Recuperado do joelho, Deivid está de volta e é mais uma opção para o meio defensivo (Foto: Divulgação/Atlético)

Deivid não defendia o Furacão desde a terceira rodada do Brasileirão, no dia 1° de junho, quando acabou sofrendo um estiramento no ligamento e um edema ósseo no joelho esquerdo. Recuperado, o atleta de 24 anos voltou a ficar à disposição na partida de ontem contra o Santos e iniciou no banco. No entanto, logo aos 19 minutos do primeiro tempo o volante foi a campo substituindo o lateral Willian Rocha, que saiu lesionado.

Com o retorno de “Coquinho”, o setor defensivo do meio-campo do Atlético está mais concorrido. Além do jogador criado nas categorias de base, Mancini tem outras seis opções para a função: Bruno Silva, João Paulo, Juninho, Marcelo Palau, além dos meias Zezinho e Marco Antônio.

São várias peças, e que têm condições de jogarem pelo fato do treinador não ter uma “dupla ideal” de volantes. Desde que chegou, há quase dois meses, Mancini variou na escalação dos “cães de guarda” da defesa de acordo com a necessidade (lesões e suspensões) ou por opção. A briga pelas duas vagas promete ser ainda mais disputada daqui para frente.