Por Esporte Banda B

Lateral Eduardo elogia início de trabalho do novo treinador. (Divulgação/Atlético)Lateral Eduardo elogia início de trabalho do novo treinador. (Divulgação/Atlético)

O lateral Eduardo fez sua estreia no Atlético na última partida, que, coincidentemente, também marcou o último jogo do time sob o comando de Claudinei Oliveira. Após a saída do ex-técnico, Enderson Moreira foi contratado e iniciou as atividades com o grupo nesta semana. Também “novato”, Eduardo diz estar vivendo, no Furacão, seu “momento mais feliz na carreira”, e destaca o estilo de trabalho do novo chefe.

Com pouco tempo de trabalho sob as ordens de Enderson, o lateal-direito rubro-negro afirmou gostar do estilo cobrador do técnico. “É um trabalho muito intenso, muito forte, ele cobra bastante e eu gosto desse tipo de trabalho. A cobrança faz com que o atleta evolua e isso é muito bom. Espero que nós todos possamos nos encaixar no ritmo de trabalho do professor, pra que a gente possa manter um padrão de jogo forte e se saia bem no jogo”, avaliou Eduardo.

Para Eduardo, a chegada do novo treinador também pode motivar os jogadores que não vinham atuando. “Para os jogadores que não vem jogando, é um fato novo, a hora de mostrar um algo a mais. Pros outros não, é tranquilo, faz parte do futebol”, afirmou o lateral atleticano.

Virtualmente no Torneio da Morte, o Rubro-negro precisa de uma combinação de resultados para se classificar para a próxima fase, mas o jogador defende que o pensamento tem que ser positivo. “Temos sempre que pensar nas coisas boas, não podemos descartar o Torneio da Morte, mas vamos pensar jogo a jogo”, disse Eduardo.

Enderson Moreira foi contratado após a saída de Claudinei. (Divulgação/Atlético)Enderson Moreira foi contratado após a saída de Claudinei. (Divulgação/Atlético)

Mirando duas vitórias nessas partidas, Eduardo garante que não faltará empenho nos jogos. “São duas guerras, duas batalhas muito fortes que a gente não pode pensar em outra coisa se não vencer. Vou encarar como o jogo da minha vida, suar sangue, se precisar dar carrinho de cabeça vou dar. A gente já está com a corda no pescoço e essa corda tem que se partir”, declarou.

Apesar do momento complicado do time dentro de campo, o lateral garantiu estar vivendo seu momento mais feliz da carreira. “A partir da proposta que foi feita ao Criciúma pra eu vir pro Atlético, depois do nascimento dos meus dois filhos, acho que foi o dia mais feliz da minha vida, estou muito feliz em ter vindo pro Atlético. É inexplicável a sensação de quando eu cheguei aqui, vesti a camisa do Atlético, treinar junto, ver toda estrutura, participar de uma forma intensa. Acho que dá forma que fui recebido aqui, eu vivo hoje o momento mais feliz da minha carreira, isso eu posso dizer”, afirmou Eduardo.

Precisando vencer para se manter vivo no Paranaense, o Atlético recebe o Nacional no próximo domingo (22), a partir das 18h30, na Arena da Baixada. Com oito pontos ganhos, o Furacão precisa vencer asduas últimas partidas, contra Nacional, em casa, e Londrina, fora, e secar o Cascavel para que a Cobra perca os seus dois compromissos, contra Coritiba e Foz do Iguaçu, ambos fora de casa.