Santos foi um dos destaques do Athletico contra o River Plate. (Miguel Locatelli/Athletico)

A derrota do Athletico para o River Plate, por 3 a 0, que custou a perda do título da Recopa Sul-Americana, teve tudo para ser uma noite especial para o goleiro Santos. Grande destaque da equipe na partida, o arqueiro contribuiu com defesas difíceis e evitou um revés ainda maior. A atuação só não foi perfeita pelo resultado adverso e também pelo duro golpe do primeiro gol adversário, em que o camisa 1  chegou a defender o pênalti de Ignácio Fernández, mas a bola sobrou no rebote e o meia não desperdiçou.

“Era um momento do jogo que a equipe do River não conseguia entrar de jeito nenhum na nossa defesa e infelizmente aconteceu o pênalti. Eu consegui pegar, mas acabou sobrando para o próprio batedor. Ficou um sentimento de frustração, que poderia ter resolvido na primeira bola”, admitiu o goleiro em entrevista coletiva.

A grande atuação contempla o momento que Santos vem vivendo. Cria das categorias de base do clube, o jogador de 29 anos assumiu a titularidade apenas no ano passado e se firmou como uma das peças principais do elenco rubro-negro, feito a ser comemorado, independente do resultado na decisão da Recopa.

“Sempre digo que sou um cara privilegiado. Eu sempre pedi uma oportunidade para mostrar o meu trabalho. Desde quando ela veio, as coisas começaram a fluir de uma forma que eu não esperava. Trabalhei muito para isso, mas não imaginei que seria assim. Pude disputar um Brasileiro e conquistar o título da Sul-Americana no primeiro ano como titular. São momentos bons que o clube está vivendo, que nos faz sentir importantes e crescer junto é muito bom”, enalteceu Santos.

Agora, o Furacão sacode a poeira e volta às atenções para o Brasileirão e para a Copa do Brasil, nos dois próximos compromissos. No domingo (02), às 16h, o time encara o Fluminense, na Arena da Baixada. Depois, na quarta-feira (05), o compromisso é contra o Fortaleza, novamente em casa, pelas oitavas de final do mata-mata nacional.