Luiz Sallim Emed, presidente do Athletico, segue suspenso por 360 dias. (Geraldo Bubniak/AGB)

O pleno do Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR) manteve a suspensão de 360 dias para o presidente do Conselho Deliberativo do Athletico, Luiz Sallim Emed, por conta da ‘torcida humana’ no clássico Athletiba. Já a multa para o Rubro-Negro foi reduzida de R$ 200 mil para R$ 100 mil. O caso ainda cabe recurso no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Sallim Emed e Athletico foram condenados quatro vezes no artigo 223 por não disponibilizar a carga de 10% de ingressos para a torcida do Coritiba, descumprir a liminar do presidente do TJD-PR Adelson Batista para disponibilizar cinco pontos de venda de ingressos para o visitante, não reservar um local para os torcedores do Coxa e impedir o uso do uniforme do rival nas arquibancadas da Arena da Baixada.

Confira os motivos das punições para Athletico e Luiz Sallim Emed

Athletico

Artigo 223 – entidade de prática desportiva, por descumprir o comando expedido pelo Presidente do e. TJD/PR,
consistente em não disponibilizar a carga de 10% de ingressos à Torcida Visitante, uma vez que, conforme
se infere dos autos, em contrariedade ao art. 38, do REC, promoveu a venda de vouchers. Com tal conduta,
a Denunciada praticou o ilícito previsto no art. 223, do CBJD, requerendo que a condenação, devido a sua
gravidade e desrespeito, seja no importe de R$100.000,00 (cem mil reais).

Artigo 223 – entidade de prática desportiva, por descumprir o comando expedido pelo Presidente do e. TJD/PR
consistente em não disponibilizar 5 (cinco) pontos de venda de ingressos. Com tal conduta, a Denunciada
praticou o ilícito previsto no art. 223, do CBJD, requerendo que a condenação, devido a sua gravidade e
desrespeito, seja no importe de R$100.000,00 (cem mil reais).

Artigo 223 – entidade de prática desportiva, por descumprir o comando expedido pelo Presidente do e. TJD/PR
consistente em não destacar setor reservado à Torcida visitante. Com tal conduta, a Denunciada praticou o
ilícito previsto no art. 223, do CBJD, requerendo que a condenação, devido a sua gravidade e desrespeito,
seja no importe de R$100.000,00 (cem mil reais).

Artigo 223 – entidade de prática desportiva, por descumprir o comando expedido pelo Presidente do e. TJD/PR
consistente em restringir o acesso de torcedores visitantes portando vestimenta que indique seu clube. Com
tal conduta, a Denunciada praticou o ilícito previsto no art. 223, do CBJD, requerendo que a condenação,
devido a sua gravidade e desrespeito, seja no importe de R$100.000,00 (cem mil reais).

Luiz Sallim Emed

Artigo 223 – Presidente da EPD Athético Paranaense, por descumprir o comando expedido pelo Presidente do e.
TJD/PR, consistente em não disponibilizar a carga de 10% de ingressos à Torcida Visitante, uma vez que,
conforme se infere dos autos, em contrariedade ao art. 38, do REC, promoveu a venda de vouchers. Com tal
conduta, a Denunciada praticou o ilícito previsto no art. 223, do CBJD, requerendo que a condenação,
devido a sua gravidade e desrespeito, seja no importe de R$100.000,00 (cem mil reais).

Artigo 223 – Presidente da EPD Athético Paranaense, por descumprir o comando expedido pelo Presidente do e. TJD/PR consistente em não disponibilizar 5 (cinco) pontos de venda de ingressos. Com tal conduta, a Denunciada
praticou o ilícito previsto no art. 223, do CBJD, requerendo que a condenação, devido a sua gravidade e
desrespeito, seja no importe de R$100.000,00 (cem mil reais).

Artigo 223 – Presidente da EPD Athético Paranaense, por descumprir o comando expedido pelo Presidente do e. TJD/PR consistente em não destacar setor reservado à Torcida visitante. Com tal conduta, a Denunciada praticou o
ilícito previsto no art. 223, do CBJD, requerendo que a condenação, devido a sua gravidade e desrespeito,
seja no importe de R$100.000,00 (cem mil reais).