Paulo Baier. (Geraldo Bubniak/AGB)

Um dos grandes ídolos dos últimos anos, o ex-meia e agora técnico Paulo Baier revelou a sua torcida para que o Athletico conquiste o título da Copa do Brasil pela primeira vez na história. Ele era um dos principais jogadores na decisão de 2013 da Copa do Brasil, quando o Rubro-Negro perdeu para o Flamengo.

“O Athletico conseguiu uma vantagem, que era o objetivo, e é fundamental conseguir uma vantagem no primeiro jogo. Poderia até ter sido mais, o Lomba fez uma defesa muito boa no chute do Rony. Se faz 2 a 0, é outro tipo de jogo. Às vezes é até bom porque o Athletico sabe que vai ter que entrar ligado. O Inter vai impor o ritmo e o Athletico precisa procurar vencer o jogo. Com esse pensamento, o Athletico pode ser campeão”, afirmou Paulo Baier, em entrevista à Banda B.

O ex-atleta do Furacão ainda acrescentou que os jogadores estão bem adaptados ao trabalho de Tiago Nunes. “É tudo encaixe. O Tiago deve ter o seu pensamento, que vem dando certo, e não tem como mudar. Os jogadores se adaptaram a isso e não tem como mudar. Desejo toda sorte ao Tiago Nunes e ao Athletico que consigam o objetivo. Nós vamos estar na torcida. Se não deu em 2013, que possa dar nesse ano”, disse.

Em relação à final de seis anos atrás, Paulo Baier admitiu que o Athletico sentiu falta da Arena da Baixada, que estava em reforma para a Copa do Mundo. “O que faltou para nós foi a final na Arena. Nós jogamos fora, na Vila Capanema, onde não era a nossa casa. Eu acredito que se a gente conseguisse jogar na Arena, o ambiente seria totalmente diferente. Tudo foi feito da melhor maneira possível desde a diretoria, passando por jogadores e comissão técnica. Se tivesse jogado na Arena, seria outro tipo de jogo”, comentou.

“O Athletico era muito fechado e união. O grupo de 2013 realmente era muito bom, nós chegamos à final com todos os méritos, mas, infelizmente, não conseguimos. Realmente, nós merecíamos por toda a trajetória de chegar à final, ser terceiro no campeonato brasileiro e o time era muito bom. Os jogadores tinham velocidade na frente, o Ederson fazendo gol e eu também estava em uma fase muito boa”, analisou o técnico.